Erdogan diz que queda da lira resulta de “conspiração política” contra a Turquia

  • ECO
  • 12 Agosto 2018

"O objetivo da operação é obter a rendição da Turquia em todos os domínios, das finanças à política", disse o Chefe de Estado turco num comício em Trébizonde, no Mar Negro.

O Presidente da Turquia considerou este domingo que a descida da lira turca resulta de “uma conspiração política” contra o país, que vai ripostar procurando “novos mercados e aliados”, numa altura de crise nas relações com os Estados Unidos.

“O objetivo da operação é obter a rendição da Turquia em todos os domínios, das finanças à política. Enfrentamos de novo uma conspiração política secreta. Com a ajuda de Deus, vamos ultrapassar isto”, declarou Recep Tayyip Erdogan, perante apoiantes reunidos em Trébizonde, no Mar Negro.

O objetivo da operação é obter a rendição da Turquia em todos os domínios, das finanças à política. Enfrentamos de novo uma conspiração política secreta. Com a ajuda de Deus, vamos ultrapassar isto.

Recep Tayyip Erdogan

Presidente da Turquia

Se os Estados Unidos estão dispostos a sacrificar as suas relações com Ancara, a Turquia vai reagir procurando “novos mercados, novas parcerias e novos aliados”, ameaçou, disse o Chefe de Estado repetindo a mensagem que já tinha deixado, no dia anterior, num artigo de opinião publicado no The New York Times.

Só podemos dizer adeus a alguém que decide sacrificar a sua parceria estratégica e uma aliança de meio século com um país de 81 milhões de habitantes para salvaguardar as suas relações com grupos terroristas”, insistiu.

A Turquia e os Estados Unidos são parceiros na NATO e os norte-americanos têm uma base importante em Incirlik, no sul do país, atualmente usada nas operações contra o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico.

No entanto, nos últimos meses, Ancara tem vindo a criticar o apoio dos Estados Unidos na Síria às Unidades de Proteção do Povo Curdo, uma milícia que a Turquia vê como uma ameaça.

Por sua vez, os Estados Unidos exigem a libertação imediata do pastor norte-americano Andrew Brunson, detido na Turquia e acusado de “terrorismo” e “espionagem”.

A Turquia responde pedindo a extradição de Fethullah Gülen, um opositor turco radicado há perto de 20 anos em território norte-americano.

No meio deste diferendo, a lira turca, em dificuldades há vários meses, registou uma queda muito acentuada face ao dólar na sexta-feira, após o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado na rede social Twitter que vai duplicar as tarifas impostas às importações de aço e de alumínio provenientes da Turquia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Erdogan diz que queda da lira resulta de “conspiração política” contra a Turquia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião