Oi com prejuízos de 1,2 mil milhões no segundo trimestre

De abril a junho, a gigante brasileira das telecomunicações registou prejuízos de 1,2 mil milhões de reais (cerca de 271,3 milhões de euros), o que reflete um recuo homólogo das perdas de 70,4%.

Depois de nos primeiros três meses do ano ter conseguido lucros de mais de 30 milhões de reais, a Oi voltou aos prejuízos, no segundo trimestre. De abril a junho, a gigante brasileira das telecomunicações registou prejuízos de 1.233 milhões de reais (cerca de 271,3 milhões de euros), o que reflete um recuo homólogo das perdas de 70,4%.

Apesar desta evolução negativa, no total do primeiro semestre, a empresa conseguiu manter-se em terreno positivo com um resultado líquido de 29.293 milhões de reais (6,6 milhões de euros).

No segundo trimestre do ano, o EBITDA da brasileira atingiu 1.719 milhões de reais (cerca de 384,4 milhões de euros), valor que compara com os 1.480 milhões (cerca de 334,6 milhões de euros) registados no período homólogo e 1.572 milhões no trimestre anterior (354,9 milhões de euros).

Já no que diz respeito à evolução semestral, o EBITDA passou de 3,135 milhões de reais (700 milhões de euros), nos últimos seis meses de 2017, para 3,291 milhões (quase 743,9 milhões de euros), na primeira metade de 2018.

Destaque ainda para o resultado financeiro líquido da empresa, que totalizou uma despesa de 1.199 milhões de reais, isto é, 271,1 milhões de euros. “No trimestre, a empresa registou resultado financeiro líquido negativo de 1.199 milhões de reais e uma despesa de Imposto de Renda e Contribuição Social de 162 milhões de reais, resultando em um prejuízo líquido consolidado de 1.233 milhões de reais”, explica a Oi, em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi com prejuízos de 1,2 mil milhões no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião