Metro de Lisboa vai vender património não estratégico para financiar expansão

  • ECO
  • 17 Agosto 2018

Metro de Lisboa prepara-se para vender imóveis considerados não estratégicos para a sua atividade. Encaixe vai financiar o plano de expansão da empresa, que prevê investir 266 milhões de euros.

O Metropolitano de Lisboa vai vender o seu património imobiliário considerado não estratégico para a sua atividade para financiar a expansão da rede e a compra de novos equipamentos. No total, a empresa prevê investir um total de 266 milhões de euros no plano de expansão, incluindo material circulante.

De acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago), entre os ativos a vender está um terreno de seis hectares em Sete Rios, em Lisboa, com o qual a empresa deverá encaixar entre 30 milhões e 40 milhões de euros. Há ainda um conjunto de apartamentos entre Odivelas e Sintra, uma loja em Telheiras e uma vivenda para alienar.

Fonte oficial do Metro confirmou que “tem em desenvolvimento um projeto para a alienação da componente do seu património imobiliário que não seja estratégico para o core business da empresa, inserindo-se nele as instalações de Sete Rios”.

A empresa está a preparar os seus ativos “não essenciais à operação” para poderem ser transacionados no mercado imobiliário e, com isso, contribuírem para financiar o investimento programado nas novas linhas e novos equipamentos“, adiantou a mesma fonte. Recorde-se que a outra parte do financiamento da expansão é assegurada por fundos comunitários, agora destinados depois do exercício de reprogramação do Portugal 2020.

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa vai vender património não estratégico para financiar expansão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião