Depois da Peugeot, petrolífera Total abandona projetos no Irão

  • Lusa
  • 20 Agosto 2018

As sanções norte-americanas ao Irão já fizeram várias empresas retirar-se do país. A mais recente é a petrolífera francesa Total, depois do fabricante da Peugeot, PSA.

A gigante petrolífera francesa Total abandonou oficialmente os seus projetos de investimento no Irão, depois do restabelecimento das sanções norte-americanas a este país, anunciou esta segunda-feira o ministro iraniano do Petróleo.

“A Total pôs oficialmente fim ao acordo para o desenvolvimento da Fase 11 do campo de gás de South Pars. Faz agora dois meses que a petrolífera anunciou que iria pôr fim ao contrato”, disse Bijan Namdar Zanghaneh.

Depois do acordo nuclear concluído em 2015 entre Teerão e vários países, os Estados Unidos resolveram restabelecer em 6 de agosto uma primeira série de sanções contra Teerão e advertir os países que mantêm as relações comerciais com o país.

Os Estados Unidos deram um prazo de 90 a 180 dias para que as empresas se retirem do Irão e que seja lançada uma nova série de sanções no setor dos hidrocarbonetos, prevista para novembro.

Os países europeus, que assinaram o acordo em 2015 para impedir o Irão de dotar-se de armas nucleares, querem manter o texto do acordo, mas por receio de penalizações dos Estados Unidos, um grande grupo de empresas, como o construtor alemão Daimler e o fabricante da Peugeot, já anunciou a sua retirada do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Peugeot, petrolífera Total abandona projetos no Irão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião