Trump avisa o Irão para nunca ameaçar os EUA, ou sofrerá as consequências

  • ECO e Lusa
  • 23 Julho 2018

Washington quer que todos os países reduzam as suas importações de petróleo iraniano "perto de zero" até 4 de novembro, caso contrário enfrentarão sanções dos EUA.

O Presidente norte-americano avisou o seu homólogo iraniano para não ameaçar os Estados unidos. Caso contrário deverá enfrentar as consequências. A ameaça de Donald Trump surgiu horas depois de Hassan Rouhani ter dito que as políticas hostis dos EUA contra o Irão poderão levar à “mãe de todas as guerras”.

Numa mensagem no Twitter na noite de domingo, Trump dirigindo-se diretamente a Rouhani escreveu: “nunca, mas nunca ameace os EUA outra vez ou sofrerá as consequências”.

A escalada da retórica surge depois de a Administração Trump ter lançado uma ofensiva de discursos e comunicação com o objetivo de fomentar a instabilidade e ajudar a pressionar o Irão a pôr fim ao seu programa nuclear e apoio a grupos militantes, dizem fontes conhecedoras do processo.

E é nesta lógica que se insere o alerta do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo: os Estados Unidos da América (EUA) “não têm medo” de impor sanções “ao mais alto nível” o regime de Teerão.

Num discurso na diáspora iraniana na Califórnia, no domingo à noite, Pompeo confirmou que Washington quer que todos os países reduzam as suas importações de petróleo iraniano “perto de zero” até 4 de novembro, caso contrário enfrentarão sanções dos EUA.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a saída dos EUA do acordo internacional de 2015, que foi assinado com o objetivo de impedir que o Irão adquirisse armas nucleares, e o regresso das sanções norte-americanas.

Enquanto muitos dos aliados dos EUA tentam salvar o acordo nuclear iraniano, o chefe da diplomacia norte-americana reiterou o seu desejo de que “o regime [iraniano] mude significativamente o seu comportamento, tanto dentro do Irão como no cenário mundial”, recusando-se a distinguir entre radicais e moderados.

Mike Pompeo anunciou ainda o fortalecimento da campanha de propaganda norte-americana com o lançamento de um canal multimédia (televisão, rádio, redes digitais e sociais) 24 horas por dia em farsi, “para que os iranianos comuns, no Irão e em todo o mundo, saibam que a América está do seu lado”, bem como medidas “para ajudar os iranianos a contornar a censura na Internet”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump avisa o Irão para nunca ameaçar os EUA, ou sofrerá as consequências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião