Regresso às aulas vai custar quase 500 euros a cada família

Os pais estão a contar com uma fatura pesada para as compras do regresso às aulas, ponderando gastar mais do que no ano passado. Os descontos já começam a aparecer, mas serão mais baixos.

O regresso às aulas está aí à porta, e com ele vêm as compras de cadernos, mochilas e material escolar. Os pais estão a contar gastar quase 500 euros nestas despesas, numa subida de mais de 20% em relação ao ano passado.

De acordo com o estudo do Observador Cetelem, o valor médio que as famílias apontam para as compras escolares é de 487 euros. Em 2017, o valor indicado era 399 euros, o que se traduz num aumento de 22% para este ano.

Um terço dos inquiridos pondera gastar até 500 euros, valor que também subiu desde 2017, quando representava 25% das intenções. Mesmo assim, os encarregados de educação que admitem que o valor máximo para estas despesas pode ultrapassar os 750 euros desceu 2% para os 7%, em comparação com o ano passado.

Mas nem todos conseguem ter tudo planeado, já que 35% dos pais com filhos em idade escolar ainda pensa quanto irá gastar. A mesma percentagem de inquiridos refere ter filhos em idade escolar acima de cinco anos, número que diminuiu 5% em relação ao ano anterior. Esta redução de famílias com filhos em idade escolar será mais um indicador do envelhecimento da população portuguesa.

Os manuais escolares pesam muito nas costas dos alunos, e também na fatura dos pais. O ministro da Educação anunciou que nos próximos quatro anos não vai existir um aumento dos preços dos livros, apenas aquele indexado à inflação. Entretanto, as livrarias já começaram a fazer descontos aos livros escolares, apesar de serem mais baixos do que nos anos anteriores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regresso às aulas vai custar quase 500 euros a cada família

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião