Descontos nos livros escolares? Há, mas são mais baixos

As campanhas promocionais para o regresso às aulas dão descontos de 6% na maioria das livrarias e cadeias comerciais. Em 2017, os descontos rondavam os 10%.

Ainda faltam perto de dois meses para o arranque oficial do novo ano escolar e muitos portugueses ainda nem sequer foram a banhos, mas já foi dado o pontapé de saída nas campanhas de venda dos livros escolares. Aproveitar essas promoções é uma boa oportunidade para poupar alguns euros na pesada fatura que os livros e os materiais escolares representam no orçamento familiar. Este ano, contudo, as notícias não são tão boas face ao verificado no ano passado. Continua a haver descontos, mas mais baixos. Deverá conseguir poupar 6%, em média, ao reservar antecipadamente os livros que vão encher as mochilas dos mais novos no regresso à escola em setembro.

Este é o resultado de uma ronda que o ECO fez pelos sites das livrarias e grandes superfícies comerciais que habitualmente realizam campanhas promocionais de livros e material escolar por esta altura do ano. Dessa pesquisa que incluiu, a Wook, Bertrand, Leya, Fnac, Staples, El Corte Inglés e Continente, a grande maioria disponibiliza descontos de 6%, na maior parte dos casos imediatos, mas também em cartão. Essa percentagem de poupança compara com os 10% que eram oferecidos em geral há um ano.

A redução no desconto oferecido poderá não ser alheia ao acordo estabelecido entre o Governo e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) no sentido de os preços dos manuais escolares se manterem inalterados. Apenas está prevista a atualização face à inflação, num acordo que foi estabelecido no final de junho e que se manterá ao longo dos próximos quatro anos.

Há, contudo, um conjunto de famílias que não terão de se preocupar em assumir esses encargos escolares. Para tal, basta que os seus educandos frequentem até ao sexto ano de escolaridade. Este ano, o Ministério da Educação vai alargar a distribuição gratuita dos manuais escolares que já se aplicava aos alunos do ensino público até ao quarto ano, aos do quinto e sexto ano de escolaridade. O único compromisso que têm de assumir é mantê-los em boas condições e proceder à respetiva devolução à escola no final do ensino letivo.

As famílias com filhos que frequentam os restantes anos de ensino vão continuar a ter de suportar os encargos anuais com os livros escolares e o mesmo acontece com todos os alunos do ensino privado que não beneficiam de qualquer gratuitidade. Há também quem, mesmo podendo beneficiar da isenção dos custos com os livros, prefere adquiri-los.

Em todas essas situações vão ter de contar com uma fatura para adquirir os livros que em alguns casos poderá aproximar-se dos 300 euros. Tendo em conta essa realidade, todas as poupanças que conseguirem representam uma mais-valia.

No caso do primeiro ano de escolaridade, o custo para adquirir os seis manuais e livros de atividades das três disciplinas core — português, matemática e estudo do meio — ascende aos 52 euros, assumindo como exemplo a Escola Básica de São Vicente, em Telheiras. Com o desconto de 6%, a fatura a pagar pode baixar em cerca de três euros.

Maior é a poupança possível de alcançar nos livros dos graus de ensino mais elevados. Assumindo a mesma escola, mas no caso do quinto ano de escolaridade, o conjunto de 16 manuais e cadernos de atividades sem desconto tem um custo total de 205,5 euros. Este valor encolhe em cerca de 12 euros, no caso em que se aplique um desconto de 6%.

Já no caso de um aluno que entre para o décimo ano de escolaridade e que opte pelo curso de ciências sócio-económicas na Escola Secundária D. Filipa de Lencastre, a poupança ronda os 18 euros, assumindo um cabaz de 16 livros e cadernos de atividade cujo preço sem desconto seja de 317 euros.

A grande maioria dos descontos de 6% são imediatos, mas no caso do Continente, esta percentagem é acumulada no cartão da cadeia retalhista. Também o El Corte Inglés concede um desconto de 10%, mas que também é acumulado num cartão que pode ser usado para adquirir material escolar.

A grande maioria das lojas também oferece descontos na aquisição dos livros de apoio escolar, com valores que variam consoante os casos, mas que podem chegar aos 20% a acumular em cartão. Abaixo conheça os descontos que pode conseguir em cada campanha de descontos de livros em vigor. Mas tenha em atenção que a maioria está apenas disponível até meados de agosto.

A montra dos descontos

Bertrand: 6% nos livros, 20% no apoio escolar a acumular em cartão

Na Bertrand, as encomendas de livros escolares efetuadas até 18 de agosto contam com um desconto imediato de 6%. Este desconto abrange manuais, cadernos de atividades e acessos digitais. É dado ainda um desconto de 20% a acumular em cartão Leitor Bertrand na compra de livros de apoio escolar (dicionários, gramáticas, fichas de trabalho, livros de preparação para os testes e exames) e nos livros do Plano Nacional de Leitura. Nas encomendas online, os pores são gratuitos no caso de um número mínimo de livros encomendados. Mais em concreto: três manuais ou cadernos de atividades no 1º ciclo, quatro manuais do 2º ciclo, seis manuais do 3º ciclo e três do secundário.

Wook: Nos livros 6%, no apoio escolar 20%. é tudo imediato

Nas encomendas efetuadas até 16 de agosto, a Wook oferece também um desconto imediato de 6% na aquisição de livros escolares. Já no que respeita aos livros do Plano Nacional de Leitura e de apoio escolar concede um desconto também imediato de 20% na respetiva aquisição. As “encomendas escolares completas” (três manuais ou cadernos de atividades no 1º ciclo, quatro do 2º ciclo, seis manuais do 3º ciclo e três do secundário) enviadas pelo correio contam ainda com portes grátis. A livraria permite ainda o pagamento faseado em três vezes sem juros, para encomendas entre 60 e 1.500 euros.

Staples: dá 6% de desconto imediato nos livros

Quem adquirir os livros escolares através do site da Staples beneficia de um desconto direto de 6% sobre o preço de venda ao público. Esta campanha é válida em compras efetuadas até ao dia 19 de agosto. Os portes da entrega dos livros são gratuitos.

Fnac: 6% nos manuais, 20% em vales no apoio escolar

A campanha promocional de livros escolares também já arrancou na Fnac. Nas encomendas realizadas até 19 de agosto, a loja também dá um desconto de 6% no caso dos livros escolares, enquanto no livros de apoio escolar os descontos podem chegar a 20%, mas em vales. Este valor promocional é válido para aderentes, enquanto no caso dos que não o sejam têm direito a um desconto de 10%, isto desde que a encomenda seja superior a 35 euros. Esses vales podem ser usados para a aquisição de livros de apoio escolar (não inclui gramáticas, dicionários e métodos de línguas e conversação). Para compras entre 155 e 999 euros, feitas com cartão de crédito Fnac, é possível fasear o respetivo pagamento por quatro prestações sem juros. Os portes de entrega dos livros são grátis em encomendas de mais de 15 euros.

Leya: Desconta 6% no preço dos livros escolares

Na Leya online está em vigor um desconto direto também de 6% sobre o preço de aquisição dos livros escolares, numa campanha que está em vigor em reservas efetuadas até ao dia 15 de agosto. Não são cobrados portes de envio em encomendas cujo valor seja superior a 80 euros.

El Corte Inglés: Dá 10% nos livros, mas em cartão

É oferecido um desconto de 10% sobre o valor dos livros adquiridos que são carregados em saldo de um cartão que pode ser usado para comprar material escolar, à exceção de livros. Além desse desconto, o El Corte Inglés também tem em vigor uma campanha de descontos de 15% sobre o valor dos uniformes de colégios, válida até 31 de julho. Para adquirir qualquer destas categorias de produtos, o El Corte Inglés disponibiliza uma campanha de financiamento que permite pagar em três vezes.

Continente: 6% vão para o cartão na compra dos manuais

No Continente, as compras de livros escolares feitas online beneficiam de um desconto de 6%, que é acumulado no saldo do Cartão Continente. O desconto que é válido para encomendas de manuais efetuadas até 15 de agosto. Contrariamente ao ano passado, todas as entregas de livros escolares são gratuitas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descontos nos livros escolares? Há, mas são mais baixos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião