Quantos litros de cerveja bebem os portugueses por ano? E de vinho?

Vinho e cerveja lideram as preferências dos portugueses e os números demonstram-no claramente. Em 2017, cada português bebeu 51,4 litros de vinho/ano e 51 litros de cerveja/ano.

Vinho e cerveja lideram, quase empatados, as preferências dos portugueses. Em 2017, Portugal foi o país do mundo com o consumo de vinho per capita mais elevado. Os números são da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e indicam que cada português consome 51,4 litros de vinho por ano. Mais do dobro dos 25 litros bebidos por habitante por ano, em Espanha.

Já o consumo de cerveja foi igualmente de 51 litros per capita/ano, tendo superado largamente os 47 litros/per capita registados em 2016, segundo dados dos Cervejeiros de Portugal. Um resultado que, para as cervejeiras, reflete o aumento de confiança dos consumidores e o incremento da atividade turística em Portugal, no último ano.

Em termos nacionais, em 2017, o consumo de cerveja foi de 525.093.000 litros, o que origina os tais 51 litros por pessoa/ano. Ou seja, 204 “minis” [garrafa de 0,25 l] por pessoa por ano. Ou, meia “mini” por dia, por pessoa.

Os dados demonstram que, em 2017, o consumo per capita de cerveja igualou o do vinho, quando em 2016 tinha sido superior: 47 litros de cerveja por pessoa versus 46 litros de vinho por pessoa.

Em termos mundiais, apesar de, no caso do vinho, Portugal liderar claramente em termos de consumo per capita, em termos de consumo total a liderança pertence aos Estados Unidos, cujo consumo atingiu os 32,6 milhões de hectolitros. Segue-se França, com 27 milhões, Itália, com 22,6 milhões e Alemanha, com 20,2 milhões. Portugal regista um consumo total de 4,5 milhões de hectolitros.

Em todo o mundo são consumidos anualmente 243 milhões de hectolitros de vinho.

Produção em Portugal longe do top

Apesar de Portugal ser o líder destacado no consumo de vinho, em termos de produção as coisas são bem diferentes. Portugal ocupa a 11.ª posição, tendo produzido 6,6 milhões de hectolitros de vinho, em 2017.

A liderança pertence a Itália, com um total de 42,5 milhões de hectolitros. Aliás, o ano passado, os italianos juntamente com franceses, espanhóis e americanos produziram cerca de metade de todo o vinho do mundo.

Já no que toca a exportações, e segundo o OIV, Portugal aparece no top 10 dos países com maior volume de exportações, ocupando a 9.ª posição, com três milhões de hectolitros vendidos. Espanha mantém a liderança com 22,1 milhões de hectolitros vendidos.

Em termos de valores das exportações, Portugal ocupa igualmente o 9.º lugar, com 752 milhões de euros.

No caso da cerveja, e segundo dados do Eurostat, Portugal mantém-se longe dos lugares de topo. Os maiores produtores de cerveja são a Alemanha, seguida do Reino Unido, Polónia, Holanda, Espanha e Bélgica.

Ainda assim, o Eurostat dá destaque a Portugal por ser um dos países onde a produção de cerveja mais cresceu, tendo disparado 11% em 2017. Em termos de crescimento da produção, Portugal ocupa o terceiro lugar do ranking. A liderança pertence à Holanda, cujo crescimento atingiu os 48% num só ano, seguida pelo Reino Unido com uma subida de 14%.

No total, dentro da União Europeia, foram produzidos 41 mil milhões de litros de cerveja com álcool, mais 2,5 mil milhões do que em 2016.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantos litros de cerveja bebem os portugueses por ano? E de vinho?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião