Sonae aumenta lucros em 25 milhões de euros

As vendas e os lucros da Sonae continuam a crescer. Retalho alimentar e Worten voltam a impulsionar vendas da retalhista. Dívida encolhe e investimento aumenta em 30 milhões de euros.

A Sonae continua na senda dos bons resultados. A empresa co-liderada por Ângelo Paupério e Paulo Azevedo fechou o primeiro semestre do ano com lucros de 98 milhões de euros, mais 25 milhões ou 34,2% do que em igual período do ano anterior.

Este forte aumento é justificado pela Sonae com o “crescimento das vendas e da rentabilidade, bem como ao dos resultados indiretos”.

O resultado indireto da Sonae atingiu os 68 milhões de euros, mais do que duplicando face a igual período de 2017, resultante de “reavaliações do portefólio, de ganhos de capital da Sonae IM e do valor criado nas propriedades de investimento da Sonae Sierra”.

No ganhos de capital da Sonae IM está a alienação parcial da participação na OutSystems.

Já o volume de negócios da retalhista atingiu os 2.680 milhões de euros, mais 6,6% do que nos seis primeiros meses do ano anterior, “particularmente impactado pela Sonae Retalho que contribui com 167 milhões adicionais”.

O EBITDA consolidado cresceu 15 milhões de euros para os 154 milhões.

Numa análise mais detalhada por área de negócios, o destaque vai para o retalho que cresceu 7,7%, com o alimentar a aumentar 7,2% para os 1.906 milhões de euros. A Sonae afirma que esta evolução “permitiu à Sonae MC, uma vez mais, reforçar a sua quota de mercado”.

Já o volume de negócios da Worten cresceu 7,1% para os 474 milhões de euros, suportado pelo “crescimento da operação online e de uma variação de vendas no universo comparável de lojas de 5,8%, apesar do menor volume de vendas de produtos sazonais resultante de temperaturas atipicamente baixas sentidas em maio e junho, particularmente em Espanha”.

A Sonae Sports & Fashion foi também penalizada pelas condições meteorológicas, mas ainda assim regista um crescimento de 0,9% nos primeiros seis meses do ano, totalizando 168 milhões de euros. Em termos de online, a Sonae destaca que as vendas na Zippy cresceram 56%, 13% na Salsa e mais do que duplicaram na MO.

Já as vendas internacionais representam atualmente 45% das vendas totais.

Paralelamente, a Sonae FS cresceu 27,5% para os 14 milhões de euros. Por seu turno, o imobiliário de retalho (Sonae RP) fechou o período com um volume de negócios de 47 milhões de euros, mais 2,9% do que em igual período do ano passado, e um valor contabilístico líquido de 908 milhões de euros.

A Sonae IM teve um semestre particularmente positivo, com o volume de negócios a crescer 8,7% para os 75 milhões de euros, em parte resultante da alienação de 50% da OutSystems.

A Nos e a Sierra já tinham apresentado os seus resultados.

Dívida encolhe e investimento cresce

A Sonae reduziu a dívida em 6,7%, ou 95 milhões de euros, para 1.324 milhões de euros. A empresa, com sede na Maia, assegura que “o gearing médio em valores de mercado melhorou, quando comparado com o mesmo período do ano passado, para 0,6x, devido nomeadamente ao aumento da capitalização média bolsista e à diminuição da dívida líquida quando comparado com o mesmo período de 2017″.

Em termos de investimentos, a Sonae totalizou 151 milhões de euros, mais 30 milhões do que no semestre homólogo, devido “essencialmente a um maior nível de capex da Sonae MC, relacionado com remodelações, e da Sonae IM relacionado com operações de fusão e aquisição”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae aumenta lucros em 25 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião