Coligação com Aliança? Tudo o que for alternativa à esquerda “pode ser positivo”, diz Cristas

A líder do CDS-PP garante que não vê o Aliança como uma ameaça ao seu partido. "Todos os partidos de centro direita são uma ameaça para António Costa e para as esquerdas".

O CDS-PP mantém a estratégia de concorrer sozinho às próximas eleições legislativas, mas vê com bons olhos a candidatura do Aliança, novo partido do ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes. Tudo o que sirva como alternativa à atual solução governativa “pode ser positivo”, diz Assunção Cristas.

A líder do CDS falava em Cascais, onde participou numa ação de sensibilização para boas práticas ambientais. “A estratégia do CDS é sempre a mesma: queremos ser uma alternativa às esquerdas. Para isso, precisamos de 116 deputados. Não conseguimos chegar lá sozinhos. Todos aqueles que, neste espaço, puderem somar deputados, sejam do PSD, sejam de outros partidos novos, isso pode ser positivo“, disse Cristas, questionada pelos jornalistas sobre se uma coligação com o Aliança é uma hipótese, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Cristas garantiu ainda que não vê o Aliança como uma ameaça ao seu partido, até porque “todos os partidos de centro direita são uma ameaça para António Costa e para as esquerdas”.

O novo partido de Pedro Santana Lopes foi anunciado este sábado, no Expresso. Segundo o antigo militante do PSD, este será um partido “personalista, liberalista e solidário”, assim como “europeísta, mas sem dogmas, sem seguir qualquer cartilha e que contesta a receita macroeconómica de Bruxelas”.

O Aliança não deverá participar nas eleições europeias, que decorrem em maio de 2019, mas Santana Lopes quer afirmá-lo como alternativa em Portugal. “Garantir representação política” para poder “participar no processo de decisão, seja no Governo seja na oposição”, é o objetivo de Santana Lopes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coligação com Aliança? Tudo o que for alternativa à esquerda “pode ser positivo”, diz Cristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião