Merkel diz que gostava de ficar associada ao fortalecimento da Europa

  • Lusa
  • 26 Agosto 2018

A chanceler, que cumpre o quarto mandato sucessivo, e provavelmente o último, espera que a sua passagem pelo Governo da Alemanha seja associada no futuro ao fortalecimento da Europa.

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou esperar que a sua passagem pelo Governo da Alemanha seja associada no futuro ao fortalecimento da Europa, numa entrevista à televisão pública alemã ARD.

“Quando deixar de ser chanceler, outros podem ocupar-se a dar um nome aos meus anos de governo. Mas, se há um tema que para mim é importante, esse tema é a Europa”, disse Merkel, citada por agências, na entrevista, que vai ser difundida hoje à noite.

“Parece algo óbvio, porque é algo que herdámos dos mais velhos, que viram a integração europeia como uma resposta ao horror da guerra. Nós, que não vivemos a guerra, temos a responsabilidade de conservar esse projeto”, acrescentou.

A chanceler reiterou a ideia de que a Europa tem de tomar o seu destino em mãos e disse partilhar da posição do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, que recentemente falou da necessidade de uma mudança de estratégia nas relações entre a Europa e os Estados Unidos.

A entrevista à chanceler, que cumpre o quarto mandato sucessivo, e provavelmente o último, incidiu sobretudo em questões internas, designadamente o futuro do sistema de pensões.

O programa de governo, disse, “é claro” quanto ao compromisso de manter o nível atual das pensões até 2025 e da idade de reforma até 2030.

Merkel mostrou-se confiante na resolução das diferenças com os parceiros de coligação, os sociais-democratas do SPD e os conservadores bávaros da CSU, quer no tema das pensões, quer no da gestão dos fluxos migratórios.

A chanceler foi também questionada sobre ambiente, em face dos fenómenos climáticos extremos registados nos últimos meses, designadamente na Alemanha, afirmando que, antes de definir novas metas de redução de gases com efeito de estufa, há que trabalhar no cumprimento dos objetivos já definidos.

A entrevista foi feita numa altura em que o SPD tenta ganhar uma identidade própria dentro da coligação de governo em matéria de questões sociais, sobretudo a das pensões, e que as tensões entre a União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel e a União Social-Cristã (CSU) de Hörst Seehofer, principalmente em matéria de migrações, não estão superadas.

Ao mesmo tempo, as sondagens não têm sido boas para nenhum dos partidos, prevendo que se houvesse eleições agora, juntos não conseguiriam uma maioria absoluta no parlamento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merkel diz que gostava de ficar associada ao fortalecimento da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião