Primeira loja sem funcionários correu bem. Amazon abre a segunda

A nova loja é mais pequena do que a primeira, mas localiza-se na mesma cidade. A oferta baseia-se em produtos alimentares confecionados localmente, quer nas cozinhas da empresa como pastelarias.

Chegou a segunda loja física da Amazon, que funciona de uma forma automatizada, sem funcionários. É novamente em Seattle, mas mais pequena do que a original, e continua a disponibilizar produtos alimentares locais.

Através de uma aplicação para o telemóvel, câmaras e sensores de peso nas prateleiras, o cliente entra e sai da loja sem passar por caixas registadoras. Ao passar as portas, é feito o scan da aplicação, que contabiliza o que o utilizador leva, e cobra depois de sair. A experiência é mais rápida do que a tradicional, principalmente se comparada com supermercados que costumam ter filas.

A oferta alimentar é assegurada por cozinheiros da Amazon e profissionais locais, mas como a dimensão é mais reduzida do que a primeira loja, esta não tem uma cozinha, avança o TechCrunch (acesso livre/conteúdo em inglês). Os produtos vão chegar a partir de cozinhas da empresa na cidade.

Funciona das sete horas da manhã até às sete da tarde nos dias de semana, com o objetivo de apelar mais a trabalhadores da zona. Os clientes podem comprar comida pronta a comer, refeições leves para várias alturas do dia, e ainda “Meal Kits“, que juntam ingredientes para uma refeição caseira para dois, que demora cerca de meia hora a confecionar.

Não é conhecido o plano da Amazon para expandir as lojas, mas algumas vagas de emprego colocadas no site da empresa parecem apontar para espaços em Chicago e São Francisco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira loja sem funcionários correu bem. Amazon abre a segunda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião