Google quer ajudar ex-militares a encontrar trabalho

Pode não ser fácil enveredar pela carreira militar, mas sair também envolve algumas complicações. Uma delas é a procura por um trabalho civil que corresponda às qualificações do ex-militar.

Deixar a carreira militar nos Estados Unidos da América (EUA) pode adivinhar a dificuldade que se segue, a procura por um trabalho civil. Foi precisamente a pensar nisso que a Google facilitou a procura, atualizando o seu recurso de procura de emprego com ferramentas que ajudam os ex-militares a encontrar vagas que correspondam às suas competências e experiência adquirida.

A partir desta terça-feira, os utilizadores da ferramenta da Google de procura de trabalho podem pesquisar por “empregos para ex-militares” e inserir o seu código de especialidade ocupacional militar. De seguida irão aparecer empregos civis que exijam habilidades semelhantes àquelas usadas durante a carreira militar, fazendo uma espécie de “match” entre as vagas e o perfil do candidato ex-militar.

Por outro lado, a Google também está a ajudar as empresas detidas ou lideradas por ex-militares a encontrar novos clientes, atribuindo-lhes um “selo” de empresa “liderada por um ex-militar”. As empresas propriedade de antigos militares do exército representam quase 9% de todas as empresas nos Estados Unidos da América.

De acordo com a Fast Company, quase 1 em cada 3 ex-militares dos Estados Unidos — dos cerca de 250.000 militares que saem das forças armadas a cada ano — dizem que sofrem de subemprego, ou seja, são obrigados a aceitar vagas abaixo das suas qualificações. Daqueles que encontram trabalho pós-militar, 44% acabam por deixar o seu primeiro emprego civil em apenas um ano, ou porque não se sentem bem naquela função ou porque não conseguem encontrar um propósito para as tarefas que desempenham.

Mas não são só os militares que se deparam com esta dificuldade. Também os seus cônjuges enfrentam questões desafiadoras, tendo que mudar as suas vidas ou deixar os seus empregos quando os maridos ou mulheres são transferidos. A taxa de desemprego dos cônjuges de militares ronda os 20% e a taxa de subemprego é de cerca de 35%.

Veja o vídeo para perceber melhor como é que funciona a procura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google quer ajudar ex-militares a encontrar trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião