Compras de emigrantes fazem de agosto melhor do que “tempo de Natal”

  • ECO
  • 31 Agosto 2018

O regresso dos emigrantes para férias no nosso país faz com que o comércio reflita essa afluência. Os dados são da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal.

Há comerciantes que comparam agosto à época de Nata, garante a Confederação de Comércio e Serviços de Portugal. De acordo com a entidade, no segmento alimentar, por exemplo, há lojas com vendas em agosto superiores às do Natal, escreve esta sexta-feira o Jornal de Notícias (exclusivo edição impressa).

Agosto é, por norma, um mês de eleição para os emigrantes portugueses voltarem ao país e visitarem a família e esse movimento de regresso está a refletir-se nas compras, apesar da diminuição recente do número de emigrantes. Neste momento, há mais de dois milhões de portugueses a viverem fora de Portugal.

O impacto do seu regresso não se sente apenas no comércio mas também na restauração e hotelaria, escreve o jornal.

A notícia surge poucos dias de pois de António Costa ter anunciado que pretende diminuir a carga fiscal para emigrantes que decidam voltar ao país, uma proposta para atrair o talento português que tem deixado o país desde o início da crise. A medida estará inscrita no Orçamento do Estado para 2019, a ser apresentado até 15 de outubro, e prevê um desconto de 50% no IRS, assim como dedução dos custos de instalação, da viagem de regresso e das despesas com habitação.

Em 2016, a Comissão Europeia referia no seu relatório Monitor da Educação e Formação que, entre 2001 e 2011 a proporção de portugueses com pelo menos o Ensino Superior a sair do país aumentou 87,5%, e mais 40 mil saíram do país entre 2012 e 2014. “As principais razões para emigrar são a baixa taxa de emprego em Portugal durante a crise económica, os baixos salários no país, poucas oportunidades para usar as suas capacidades no mercado de trabalho nacional e poucas perspetivas de avanço na carreira”, lê-se nesse relatório, que refere ainda: “Quase 20% dos emigrantes altamente qualificados portugueses estimam que o seu tempo no estrangeiro vai durar entre seis e dez anos, e 43% assumem que durará mais de dez anos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compras de emigrantes fazem de agosto melhor do que “tempo de Natal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião