BE quer IVA da energia nos 6% no OE, mas admite descida faseada

  • Lusa
  • 4 Setembro 2018

Bloquistas estão dispostos a aceitar o faseamento da medida, ou a modulação de acordo com o consumo. Para o partido, a energia deve ser vista como "um bem essencial".

O BE propôs ao Governo que o IVA da energia desça para os 6% no Orçamento do Estado para 2019 “por ser um bem essencial”, admitindo abertura para o faseamento da medida ou modulação de acordo com o consumo.

Uma das “bandeiras” do BE para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) é a baixa do IVA da luz e do gás e, em entrevista à agência Lusa a propósito das negociações orçamentais, o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, adiantou o valor proposto pelo partido ao Governo: 6%.

“O Governo sabe da nossa intenção. O nosso objetivo é ter IVA a 6% para a eletricidade. Veremos qual é a contraposta que o Governo faz e como é que nós avançamos nesse dossiê”, afirmou, adiantando que este tema “continua mais ou menos nos mesmos termos que estava no início de julho”, tendo o BE “marcada uma reunião com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais” a propósito desta matéria.

Os bloquistas, segundo Pedro Filipe Soares, não têm “uma visão fechada” e estão disponíveis para “formulações de aplicação desta ideia que pode até derivar em calendários temporais diversos“, ou seja, o faseamento da medida.

Outra das possibilidades para que o IVA da energia desça dos atuais 23% passa pela modulação de acordo “com os consumos das pessoas”.

“Nós pretendemos que se tenha no IVA da eletricidade a perspetiva de ser um bem essencial, sendo a eletricidade essencial num país como Portugal em que as estatísticas indicam que um dos fatores de pobreza energética é o custo da energia”, justificou.

Sobre a globalidade do OE2019, o líder parlamentar bloquista disse ainda que o partido não vai “com humores para as negociações”, admitindo que se está numa “fase mais atrasada” do que em anos anteriores, o que considera ser desnecessário.

A “bitola principal” do BE sobre este último orçamento é a “recuperação de direitos e recuperação de rendimentos” e “é com essa avaliação” que será “a tomada de decisão sobre qual o voto” do documento final, segundo Pedro Filipe Soares.

“O Governo tem insistido em negociar défices com Bruxelas e não negoceia défices connosco porque nós queremos atacar alguns défices que o Governo teima em não perceber que são os primordiais”, condenou.

Para Pedro Filipe Soares, “por via destas escolhas do PS e do Governo” não se vai “tão longe” quanto seria possível, perspetiva que aliás a líder do partido também partilha.

Outra das ideias centrais que a líder do BE, Catarina Martins, já tinha deixado no domingo, no discurso de encerramento da ‘rentrée’ do partido foi que com a economia em crescimento, este é o tempo para investir, com um OE2019 que aposte nos serviços públicos.

“Muita dessa ausência de investimento não tem sido ainda repercutida no quotidiano, muito mais por causa da vontade do PS cumprir as metas orçamentais custe isso o que custar ao investimento. Do nosso ponto de vista este é o Orçamento do Estado para reparar esse problema”, reiterou, por seu lado, Pedro Filipe Soares.

No entanto, segundo o líder parlamentar do BE, há um debate que vai iniciar-se antes do OE2019 e “vai confinar claramente também o debate orçamental que é a Lei de Bases da Saúde”.

“Nós debateremos na Lei de Bases da Saúde como é que o Serviço Nacional de Saúde se organiza, debateremos no Orçamento do Estado como é que essa organização vai ter consequências do ponto de vista de investimento ou de ausência dele”, antecipou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE quer IVA da energia nos 6% no OE, mas admite descida faseada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião