Governo vai gastar mais 152 milhões do que o previsto com descongelamento de carreiras

  • ECO
  • 6 Setembro 2018

O Governo reviu em alta as despesas com as carreiras na função pública. Os novos valores são superiores às estimativas do Programa de Estabilidade que foram enviadas para Bruxelas.

O impacto do descongelamento das carreiras da função pública, em curso desde o início do ano, foi revisto pelo Governo. O Ministério das Finanças estima agora gastar, no próximo ano, mais 152 milhões de euros com esta medida do que estava previsto do Programa de Estabilidade (PE) que foi enviado para Bruxelas.

O descongelamento de carreiras terá um impacto bruto total de 542 milhões de euros nas despesas com pessoal em 2019, acima dos 389,8 milhões que eram estimados em abril, avança o Público. Para além disto, está ainda planeado um gasto de mais 105 milhões de euros com outras medidas, como o aumento do salário mínimo, e de 111 milhões de euros em despesas com pessoal.

Feitas as contas, são mais 758 milhões de euros em despesas com pessoal na administração pública do que estava previsto. O Ministério das Finanças vai apresentar medidas a 19 de setembro.

Por outro lado, os custos das progressões e promoções dos funcionários públicos concretizadas este ano não vão atingir os valores esperados, ficando 57,7 milhões de euros abaixo da estimativa do PE, num total de 295 milhões. O Ministério das Finanças não justifica o porquê desta diminuição dos valores inicialmente previstos, mas esta poderá estar relacionada com os atrasos no processo de descongelamento das carreiras que se verificaram em 2018.

O aumento da despesa no próximo ano poderá estar relacionado com o facto de os números que foram apresentados aos sindicatos na quarta-feira já incluir o ciclo de avaliação de desempenho dos trabalhadores de 2017/2018 e o impacto que isso terá nas progressões. Ao mesmo tempo, os atrasos nos descongelamentos verificados este ano poderão levar a que essa despesa seja transportada para o ano seguinte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai gastar mais 152 milhões do que o previsto com descongelamento de carreiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião