Mais tecnologia, mais tempo para as pessoas

  • ECO + Fidelidade
  • 7 Setembro 2018

O futuro chegou e entrou na vida de cada família ou empresa, por vezes, sem aviso prévio. Mas veio para ficar, exigindo, a todos, uma adaptação a um mundo que não voltará a ser igual.

A inovação apoderou-se da vida de cada pessoa, família ou empresa e obrigou-nos a evoluir e a antecipar o desconhecido. Hoje, inteligência artificial, robótica, data ou nanotecnologia fazem parte do vocabulário diário e, mesmo sem exata perceção da sua amplitude, sabemos que estes são pilares de uma mudança estrutural que não podemos parar. Ainda que devamos, enquanto cidadãos, acompanhar de forma consciente o que está a acontecer.

Para garantir que, onde quer que seja que a tecnologia nos conduza, a sua aplicação será positiva, permitindo-nos chegar mais longe e traçar caminhos que, há poucos anos, eram ficção. E sendo assim, há que aproveitar este momento da história e preparar a vida para um mundo que vai colocar-nos desafios inéditos, com certamente grandes valias.

Na Fidelidade é isso que estamos a fazer. A inovação é um valor do nosso património humano, sem o qual não teríamos sobrevivido a 200 anos de história. E hoje ela faz parte do nosso dia-a-dia para nos ajudar a colocar a tecnologia ao serviço das pessoas e facilitar, de formas distintas, a vida de quem confia em nós.

Sabemos que as necessidades das pessoas irão acompanhar as alterações do seu modo de vida e temos o dever de antecipar como será a vida daqui a 5, 10, 30 anos. Mais do que adaptar produtos e serviços, temos de mudar o paradigma e começar a despertar as pessoas para novas necessidades, novos comportamentos.

As novas gerações já têm expectativas e formas próprias de interagir com os seguros e a Fidelidade quer acompanhá-las neste percurso. Estamos focados em prestar um serviço de elevada qualidade, qualquer que seja a forma escolhida, por cada cliente, para interagir connosco: agência, mediador, corretor, canal bancário ou postal, contact center ou canais digitais. Temos que ter sempre resposta e ser capazes de prestar o melhor serviço. Esta é a nossa estratégia – a Omicanalidade.

Paralelamente, temos desenvolvido soluções tecnológicas que se traduzem em claros benefícios para os clientes, como a App Myfidelidade, o serviço Medicina Online, disponível para cliente Multicare, ou a App Fidelidade Drive que, com a telemática aplicada ao seguro automóvel, permite que o cliente avalie a sua condução, com o objetivo de melhorar o seu comportamento e reduzir o risco. Estes são alguns exemplos mas estamos a dar outros passos, nomeadamente no campo da poupança, dos cyber seguros ou dos pets, mas também da inteligência artificial, automatização e robótica, como forma de agilizar tarefas processuais ou tratamento de dados, conseguir conhecer melhor cada cliente e sobretudo diminuir o peso dos processos administrativos para dedicar mais tempo à relação com os clientes, com cada pessoa.

A digitalização ou as novas tecnologias são formas alternativas de prestar o melhor serviço aos clientes, mas o maior desafio é comportamental, com foco no aconselhamento ao cliente para assegurar a sua verdadeira proteção. Passa pelo conhecimento de cada pessoa e criação de soluções adaptadas à sua realidade e incide certamente na prevenção, com uma aposta inequívoca na área da saúde, numa ótica de cuidado e bem-estar…

A grande evolução da Fidelidade está assim muito além de uma revolução tecnológica. O essencial amanhã, ou daqui a 30 anos, será preservar uma atitude que nos distingue, sempre assente na melhor proteção das pessoas ao longo da vida. E isto não se faz apenas com tecnologia. Faz-se com as pessoas. Só com elas podemos continuar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais tecnologia, mais tempo para as pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião