Portugal no top dos países mais seguros do mundo. Islândia lidera há 11 anos

  • ECO
  • 28 Junho 2018

No Índice Global de Paz de 2018, Portugal ficou em quarto, descendo um lugar em relação ao ano passado. A Islândia é a líder do ranking pela 11.ª vez consecutiva.

Quão seguro é o seu país? Na lista elaborada pelo Instituto de Economia e Paz, Portugal aparece como o quarto país mais seguro do mundo, descendo uma posição em relação ao ano anterior. O Índice Global da Paz de 2018 é liderado pela 11.ª vez consecutiva pela Islândia.

Neste índice são classificados 163 países, através da avaliação de 23 fatores como as taxas de crime, terror político, militarização e conflito interno. Apesar de ter descido um lugar, Portugal encontra-se numa boa posição, com indicadores baixos de crimes e demonstrações violentas, e de acesso e exportação de armas.

Neste ano foi ultrapassado pela Áustria, considerado o terceiro país mais seguro, e a Nova Zelândia manteve-se no segundo lugar. O top 5 fica fechado com a Dinamarca, também estável na lista.

A Islândia é considerada a nação mais segura do mundo. Com cerca de 335 mil habitantes, a sua taxa de crime é extremamente baixa, com 1,8 homicídios por cada 100.000 pessoas por ano.

 

Uma das maiores descidas no ranking foi Espanha, que caiu quase dez posições para número 30 da lista. Influenciada pelos ataques terroristas, que aumentaram o medo da população, e a luta pela independência da Catalunha, manter o paz no país está mais complicado.

Sem surpresas, o Médio Oriente e norte de África são as regiões menos pacíficas. A Síria é considerado o país menos seguro e pacífico no mundo nos últimos cinco anos, assolada por conflitos armados que levam muitos habitantes a fugir da região.

O sul asiático viu as maiores melhorias neste índice, enquanto a Europa piorou, principalmente devido à instabilidade política e ao impacto do terrorismo. Mesmo assim, continua a ser a região mais pacífica, sendo que vinte dos países no top 30 são europeus.

No ranking destacam-se ainda os Estados Unidos, que ficaram em 114.º no ranking, e o Brasil, que registou a pontuação máxima na taxa de homicídio, e valores altos no terror político, ficou em 106.º lugar. O país onde se está a realizar o Mundial 2018, a Rússia, está na 154.º posição do Índice.

Segundo o Instituto para a Economia e Paz, os países que conseguiram melhorar as condições de segurança e paz na última década registam um crescimento do PIB sete vezes mais alto do que os que não decresceram.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal no top dos países mais seguros do mundo. Islândia lidera há 11 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião