Onde estão os vistos gold? Lisboa, Cascais e Sintra concentram 90%

  • ECO
  • 7 Setembro 2018

Lisboa, Cascais e Sintra foram os concelhos mais escolhidos por residentes com vistos "dourados". Não se encontram concelhos do interior entre os locais eleitos.

Os vistos gold podem mudar. O Governo está a estudar alterações ao regime de autorizações de residência para atividade de investimento, que se concentram maioritariamente na zona da Grande Lisboa.

Nove em cada dez novos residentes foram para os concelhos de Lisboa, Cascais e Sintra, e a capital representa dois terços do total de autorizações concedidas, entre 2013 e junho de 2018, segundo escreve o Observador (acesso livre).

A seguir a Lisboa, o concelho de Cascais foi o segundo mais escolhido a nível nacional, com 737 residentes com vistos dourados. Sintra, Oeiras e Loures ocupam os lugares seguintes na lista. Já o Porto contabiliza 37 vistos para residência, e não se encontram concelhos do interior entre os escolhidos.

Esta informação foi conhecida numa resposta do gabinete do ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita, a um requerimento apresentado por José Manuel Pureza, deputado do Bloco de Esquerda.

Dados do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) revelam que a larga maioria dos vistos gold é atribuído em resultado do investimento no mercado imobiliário.

Os números deste ano indicam que houve 1.328 autorizações de residência para reagrupamento familiar e a renovação de 2.908 títulos de residência. Só foram dadas 726 autorizações de residência para investimento este ano, mas no primeiro semestre foram concedidas apenas 10 vistos por criação de postos de trabalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Onde estão os vistos gold? Lisboa, Cascais e Sintra concentram 90%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião