Lisboa passa aos ganhos. Mota sobe 2,5%

  • Marta Santos Silva
  • 10 Setembro 2018

Embora as ameaças de Trump tenham assustado os investidores asiáticos, na Europa e em Lisboa o clima é mais desafogado: o índice de referência nacional já sobe quase meio por cento.

Após viver um dos seus maiores ciclos de quedas, Lisboa parece estar a recuperar esta segunda-feira. Uma abertura a cair ameaçava que o ciclo de perdas fosse o maior da década, mas o PSI-20 inverteu a tendência pouco tempo depois: às 9h30 da manhã já negociava com segurança em terreno positivo, impulsionado em parte pelos ganhos da Mota Engil, que chegaram aos 2,5%.

A bolsa lisboeta começou assim a perder 0,003% esta segunda-feira — confirmando-se a tendência dos mercados mundiais também no índice de referência nacional. Pouco depois, porém, já negociava a ganhar meio ponto percentual.

A pesar sobre o índice de referência lisboeta estavam principalmente a Pharol e a Sonae Capital, que perdiam respetivamente 0,21% para os 0,188 euros e 0,13% para os 79,9 cêntimos na abertura. Por altura que o PSI-20 já subia com confiança, a Pharol agravava as perdas e caía meio por cento.

O PSI-20 subia suportado principalmente pelos ganhos da Mota Engil, que chegaram aos 2,5%. A Jerónimo Martins ganhava 1,46% para os 12,52 euros.

Na Europa, o panorama é vermelho em quase todas as praças, tal como já se verificava à abertura dos mercados asiáticos. Na Ásia, mínimos de 14 meses foram atingidos com uma vaga de vendas após novas ameaças de Donald Trump a Pequim: o Presidente dos Estados Unidos anunciou na sexta-feira que pretendia colocar novas tarifas sobre as importações chinesas, sacudindo os mercados. No continente europeu, várias praças abriram em queda, mas o índice europeu Stoxx 600 valorizava ligeiramente, 0,11% para os 374,17 pontos.

(Notícia atualizada às 9h52 com mais informação).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa passa aos ganhos. Mota sobe 2,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião