Fernando Haddad é o novo candidato do PT à Presidência do Brasil

Lula da Silva classificou de "injusta" a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em impedir a sua candidatura, porém, quer dar continuidade ao seu projeto político.

A Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) brasileiro aprovou esta terça-feira Fernando Haddad como o novo candidato à Presidência da República pelo partido, substituindo, assim, Lula da Silva, que tinha sido impedido de se candidatar por suspeitas de corrupção, avança a Folha de São Paulo.

O nome de Haddad foi aprovado por unanimidade, num anúncio que deverá ser feito oficialmente esta terça-feira, em frente à sede da Polícia Federal, onde Lula da Silva cumpre pena, escreve o jornal brasileiro. Embora tenha sido unânime, esta nomeação foi decidida pelo ex-presidente Lula da Silva, através de uma carta que este escreveu, onde classificou de “injustiça” a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em impedir a sua candidatura. No entanto, sublinhou a importância em dar continuidade ao seu projeto político.

Com certeza, nós vamo-nos preparar para levar Haddad para o segundo turno e ganhar as eleições presidenciais“, disse o secretário nacional de mobilização do PT, Ivan Alex Lima, citado pelo Folha. “É uma decisão histórica, é um dia histórico”.

Na reunião de aprovação da decisão estiveram presentes, para além dos membros da Executiva do PT, a ex-presidente Dilma Rousseff, os governadores Fernando Pimentel (MG) e Wellington Dias (PI). Dilma terá sido a mais assertiva, ao afirmar que seria interessante esperar por alguma decisão do Supremo, adianta o Notícias UOL. A troca da candidatura — que terá de acontecer até às 23h desta terça-feira (hora em Portugal) –, precisa de ser oficializada no TSE.

Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, tendo sido impedido de apresentar a sua candidatura no dia 1 de setembro. Para além disso, o TSE decretou ainda que o PT tinha dez dias para apresentar um novo candidato.

(Notícia atualizada às 18h55 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Haddad é o novo candidato do PT à Presidência do Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião