Fornecedor do Estado? Vai ter de pagar taxa para aceder ao portal criado pelo Governo

  • Marta Santos Silva
  • 12 Setembro 2018

O Governo recua no que definira ao criar o Portal de Fornecedores do Estado: afinal, as empresas terão de pagar uma taxa, ainda a estipular, para se inscreverem no site da contratação pública.

O Governo vai estipular uma taxa para as empresas que queiram inscrever-se no Portal Nacional de Fornecedores do Estado, cujo valor ainda não está definido, segundo avançou o Jornal de Negócios.

A 30 de maio, quando a medida foi aprovada em Conselho de Ministros, o Governo referira que a inscrição no Portal não teria custos além do pagamento das certificações legais necessárias para ser elegível a contratação pública, mas agora, num decreto publicado esta quarta-feira em Diário da República, o Governo corrige-se: “A inscrição no Portal e a manutenção do registo criminal implica o pagamento anual de uma taxa relativa à disponibilização permanente da informação relacionada com o registo criminal dos fornecedores do Estado e dos respetivos titulares do órgão de administração, direção ou gerência”.

O Portal Nacional dos Fornecedores do Estado servirá para facilitar a contratação pública nas empresas públicas e órgãos do Estado, registando publicamente potenciais fornecedores para essas entidades. O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse em maio que a medida deverá resultar num “reforço significativo da transparência”.

As empresas que pretendam ser fornecedoras do Estado através da contratação pública e que aceitem que os seus dados possam ser visíveis publicamente passarão a surgir listadas no Portal de Fornecedores do Estado, que as entidades públicas podem depois consultar para escolher as que mais se adequam às suas necessidades.

As vantagens, afirmou então Pedro Marques, seriam por um lado para as empresas, já que as entidades públicas passam “a ter acesso a uma base mais alargada de potenciais fornecedores, o que permitirá melhorar a concorrência na contratação pública”, e por outro para as entidades públicas, já que passa a haver um único ponto para encontrar fornecedores, o que resulta numa “forte simplificação administrativa”.

Simplificará ainda, para as empresas, o processo de candidatura para contratos públicos, já que as suas certificações estarão disponíveis de forma centralizada sem necessidade de as pedir e enviar em cada processo de candidatura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fornecedor do Estado? Vai ter de pagar taxa para aceder ao portal criado pelo Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião