Marcas portuguesas mobiliário e decoração “atacam” mercado britânico

  • Lusa
  • 14 Setembro 2018

A deslocação a Londres, que, em média, custou 16 mil euros a cada uma das 31 associadas da AIMMP, comparticipados a 50% por fundos comunitários.

Dezenas de marcas portuguesas do setor do mobiliário e decoração voltam a participar este ano em eventos no âmbito Festival de Design de Londres que começa no sábado, para reforçar a presença no mercado britânico, apesar da aproximação do Brexit.

Na Decorex Internacional, feira que celebra a 40.ª edição entre 16 e 19 de setembro, vão expor 30 marcas portuguesas especialistas em mobiliário, iluminação e peças de decoração, entre as quais Boca Do Lobo, Corque Design, Duquesa & Malvada ou Luxxu.

Metade, como a Bateye, Defontes, Emotional Brands, Green Apple, Nuuk, Muranti, Nauu Design, OIA, Se7e e That Place, participa no âmbito da Associative Design, uma entidade criada pela Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) para promover o design português em feiras internacionais.

O foco do pavilhão de 250 metros quadrados da Associative Design na Decorex, que decorre em Syon Park e atrai anualmente 14.000 profissionais e artistas da área da decoração, é a oferta de luxo portuguesa para hotéis, escritórios e retalho.

“Este mercado é demasiado importante para as nossas exportações e tem vindo a crescer muito acima da média do crescimento das exportações do setor”, disse à agência Lusa o presidente, Vítor Poças.

Este mercado é demasiado importante para as nossas exportações e tem vindo a crescer muito acima da média do crescimento das exportações do setor.

Vítor Poças

Presidente da AIMMP

A deslocação a Londres, que, em média, custou 16 mil euros a cada uma das 31 associadas da AIMMP, comparticipados a 50% por fundos comunitários, permite encontrar os seus clientes habituais e angariar novos clientes, incluindo de outras nacionalidades “tendo em conta o caráter universal destas mostras”.

Posteriormente, a Associative Design participa na London Design Fair, entre 20 a 23 de setembro, onde serão postas em evidência recursos nacionais como a cortiça, madeira e mármore, em peças para a sala de estar, sala de jantar, cozinha e escritório.

No espaço de 150 metros quadrados dedicado à sustentabilidade através do uso de matérias-primas naturais, a Associative Design terá 16 marcas, entre as quais a Furnature, Johema, Magna Natura, Mokki Design, OIA, Salma Furniture e Wewood.

Na Decorex e na 100% Design, outro evento do Festival do Design que terá lugar entre 19 e 23 de setembro, vão estar também 13 associadas da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), entre as quais Tapeçarias Ferreira de Sá, Koket, Urbanmint (Munna), Candibambu, Memoir, Pombo, Materflora, Duistt, Covet, ou Candeeiros Castro.

A comitiva aumentou “dado o grau de satisfação dos expositores presentes na edição anterior pela qualidade dos visitantes e das relações comerciais geradas. Estamos perante eventos de pequena dimensão, mas capaz de comunicar com todo o mercado do Reino Unido”, adiantou Ana Barros, responsável do departamento de marketing. Na 100% Design vão estar, a título individual, as portuguesas Bow & Arrow e Homel.

O diretor da AICEP Portugal Global em Londres, Rui Boavista Marques, refere que esta “ofensiva comercial”, que já se repete há três anos, tem ajudado as empresas portuguesas a consolidar e aumentar a presença no mercado britânico.

“As exportações, mesmo num contexto de elevada incerteza provocada pelo Brexit, têm vindo a aumentar consistentemente. Se nos focarmos nas três principais categorias, mobiliário, cerâmicas decorativas e iluminação, todas têm vindo a crescer e algumas em valores de duplos dígitos”, enfatizou.

Em 2017, segundo as estatísticas oficiais, estes setores representaram exportações para o Reino Unido no valor de 90,7 milhões de euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcas portuguesas mobiliário e decoração “atacam” mercado britânico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião