Hoje nas notícias: Angola, PGR e imobiliário

  • ECO
  • 14 Setembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A alta do mercado imobiliário continua em destaque. Depois das Taxas Robles e de Rio, é agora a vez de se ficar a saber que mais de 80% das casas, colocadas no mercado em 2017, foram vendidas em menos de seis meses. Isto quando desde 2014 foram investidos no setor 70 mil milhões de euros, um valor próximo do resgate da troika a Portugal. Na Comporta, Paula Amorim pode não estar sozinha na corrida à compra da Herdade. Fundos brasileiros e europeus assinaram acordos de confidencialidade para ter acesso ao processo. Entretanto, continua a discussão à volta da renovação, ou não, do mandato de Joana Marques Vidal. Souto Moura, ex-procurador-geral da República e Laborinho Lúcio, ex-ministro da Justiça dizem que Marques Vidal pode ser reconduzida no cargo. A nível político, e a menos de três dias da visita oficial de António Costa a Angola, fica a saber-se que os dois países vão eliminar a dupla tributação.

Portugal e Angola vão eliminar dupla tributação

Portugal e Angola deverão assinar na próxima semana uma convenção para pôr fim à dupla tributação entre os dois países. O acordo deverá ser assinado durante a visita oficial do primeiro-ministro a Angola, a 17 e 18 de setembro. Os dois Estados põem assim termo a uma prática que os empresários consideram injusta e lesiva da sua atividade já que os seus rendimentos são tributados duas vezes. Pôr fim à dupla tributação é um sinal de normalização das relações entre Portugal e Angola depois de afastado o “irritante” que durante meses aumentou a tensão entre os dois Estados. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Amorim tem novos concorrentes na corrida à Comporta

Depois da desistência dos consórcios Oakvest/Portugália/Sabina Esteves e Victor de Broglie/Global Asset Capital Europa parecia que Paula Amorim tinha o caminho livre no processo de compra da Herdade da Comporta. Porém, sabe-se agora que fundos europeus e brasileiros assinaram acordos de confidencialidade para avaliar o processo. Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso pago).

Souto Moura: “Governo pode propor de novo Joana Marques Vidal para PGR”

Na primeira grande entrevista, depois de se jubilar, José Souto de Moura, ex-procurador-geral da República diz que o “Governo pode propor de novo Joana Marques Vidal para PGR”. Souto Moura diz que “é um erro pensar-se que tudo o que se consegue de positivo é só por causa da PGR”. O ex-procurador sublinha que hoje em dia “a sensação que tenho é que não há privilégio por se ser magistrado, político ou banqueiro”. E adianta: “Os políticos precisam da comunicação social como eu preciso do ar para respirar”. Leia a notícia completa no Jornal i (acesso pago).

Laborinho Lúcio: “A renovação do mandato da PGR enobrece a Justiça e a Política”

O ex-ministro da Justiça e juíz-conselheiro jubilado do Supremo Tribunal de Justiça defende Joana Marques Vidal na liderança do Ministério Público. “A sua recondução abre uma nova esperança na democracia e no Estado de direito”, defende Laborinho Lúcio. O ex-ministro diz mesmo que “a atual PGR, através do seu exercício, levou o Ministério Público a contribuir decisivamente para o aumento do prestígio da justiça, entre nós, e, assim, para o reforço da confiança nela dos cidadão”. Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago)

Mais de 80% das casas em Portugal são vendidas em menos de seis meses

Os números comprovam o que já se sabia: o setor imobiliário está em alta. Mais de 80% das casas que foram colocadas no mercado em 2017 foram vendidas em menos de seis meses, segundo dados da Associação Portuguesas dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). Desde 2014 foram investidos no setor mais de 70 mil milhões de euros. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Angola, PGR e imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião