Ryanair chega a acordo em Itália. Ainda falta Portugal, Holanda, Bélgica e Espanha. Greve está marcada para 28 de setembro

A companhia esteve reunida com os três principais sindicatos italianos de tripulação de cabine e, juntos, chegaram a acordo. Portugal, Holanda, Bélgica e Espanha ainda não têm nenhum.

Já há acordo com a Itália. A Ryanair esteve reunida, na passada quinta-feira, em Roma, com os três principais sindicatos de tripulação de cabine: a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (ANPAC), a Associação Naturalista Pensamentos ao Vento (ANPAV) e a Federazione Italiana Trasporti della Cisl (FI CISL), avançou a companhia aérea em comunicado.

Durante a reunião foi assinado um acordo sobre um conjunto de princípios que estarão na base do Acordo Coletivo de Trabalho, que vai abranger a tripulação de cabine da Ryanair em Itália já partir do próximo dia 1 de outubro. Este acordo foi conseguido depois dos trabalhadores que operam na Bélgica, Holanda, Itália, Espanha e Portugal terem anunciado que vão aderir à greve agendada para 28 de setembro.

Ambas as parte do acordo concordaram que, neste momento, estão na fase da “conclusão dos termos e condições finais de um Acordo Coletivo de Trabalho”.

Em causa está a duração desse acordo, que deverá vigorar de 1 de outubro de 2018 a 31 de dezembro de 2021, o governo pela lei e pelos tribunais italianos, a permissão que a tripulação de cabine italiana possa estabelecer contratos locais durante um período acordado, o aumento dos salários e da isenção de impostos e, finalmente, a elaboração de um plano de pensões.

Eddie Wilson, Chief People Officer da Ryanair, mostrou-se satisfeito com o acordo com os três sindicatos. “Esperamos assinar este primeiro acordo para a nossa tripulação de cabine italiana antes ainda do final do mês de setembro, o que levará a significativas melhorias no que toca a pagamentos e outros benefícios”, disse em comunicado. Wilson salientou, ainda, que se trata de um “sinal de progresso”.

Itália já está, mas ainda falta que a companhia low cost chegue a um acordo em Portugal, na Holanda, na Bélgica e em Espanha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair chega a acordo em Itália. Ainda falta Portugal, Holanda, Bélgica e Espanha. Greve está marcada para 28 de setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião