Lusovini monta campo de ensaio de produção de uvas de mesa em Angola

  • Lusa
  • 14 Setembro 2018

Com sede em Nelas, no distrito de Viseu, este grupo produtor e distribuidor de vinhos portugueses quer investir meio milhão de dólares para estudar, ao longo de dois anos, o comportamento das videiras

A Lusovini – Vinhos de Portugal anunciou esta sexta-feira que vai montar um campo de ensaio de produção de doze variedades de uvas de mesa na região de Viana, em Angola, ainda durante este ano.

“O campo de ensaios representa um investimento de meio milhão de dólares (427 mil euros) para, ao longo de dois anos, estudarmos o comportamento das videiras que queremos plantar neste ‘terroir’”, explicou o presidente da Lusovini, Casimiro Gomes.

Com sede em Nelas, no distrito de Viseu, este grupo produtor e distribuidor de vinhos portugueses tem empresas próprias nos Estados Unidos da América, em Angola, em Moçambique e no Brasil e um escritório de representações na China (Macau).

“Quando passarmos para a produção em larga escala, e se o mercado da exportação responder bem, o nosso investimento neste projeto agrícola poderá ir até aos dez milhões de dólares (8,5 milhões de euros)”, avançou Casimiro Gomes.

Quando passarmos para a produção em larga escala, e se o mercado da exportação responder bem, o nosso investimento neste projeto agrícola poderá ir até aos dez milhões de dólares.

Casimiro Gomes

Presidente da Lusovini

O campo de ensaio será montado em Kikuxi, uma zona agrícola situada na província de Luanda, e servirá para testar o comportamento das uvas e dos porta-enxertos naquele clima subtropical.

Depois de estudadas e apuradas as variedades que dão melhores resultados, a Lusovini “plantará e explorará vinhas em grande escala numa herdade de 800 hectares nas margens do Rio Lwei, afluente do Rio Kwanza”, que é propriedade de um parceiro local.

O grupo está em Angola desde 2010, através Lusovini Angola, uma empresa distribuidora de direito local. Segundo Casimiro Gomes, “a Lusovini mantém há oito anos uma relação de grande estabilidade e confiança com o mercado angolano e com os seus agentes”. “Nunca parámos de investir, mesmo nos anos difíceis e, sobretudo, estivemos sempre empenhados em criar estruturas e serviços para servir com mais qualidade os clientes de Angola, que são cada vez mais sofisticados e exigentes”, frisou.

A Lusovini manteve o fornecimento normal à distribuição, restauração, hotelaria, cafés e similares em todo o território e, apesar dos anos difíceis, afirmou vários dos seus vinhos junto do público consumidor, destacando-se as marcas Pedra Cancela (Dão) e Sericaia (Alentejo).

Este verão, criou uma nova empresa, a Lusovini Agro, que irá desenvolver os investimentos agrícolas do grupo no país.

Com os investimentos agrícolas agora anunciados para a província de Luanda, a Lusovini quer produzir uvas de mesa em duas vindimas por ano que ocorram nos meses em que não há uvas nem no hemisfério Norte, nem no hemisfério Sul, ou seja, maio, junho e julho, e novembro, dezembro e janeiro. “As primeiras produções terão como destino o mercado de Angola, mas, se tudo correr bem, como esperamos, rapidamente passaremos a exportar boa parte na produção”, avançou Casimiro Gomes.

A procura pela oportunidade nos mercados internacionais é, segundo o presidente do grupo, uma das razões para que os investimentos sejam feitos na província de Luanda, “devido às melhores condições logísticas e à proximidade do porto e do aeroporto de Luanda”.

A maior parte das exportações será feita em contentores refrigerados. No entanto, em alturas como, por exemplo, o Natal, o transporte por avião “poderá tornar-se viável e competitivo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lusovini monta campo de ensaio de produção de uvas de mesa em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião