OE 2019 prevê mais 300 milhões para a Saúde

  • ECO
  • 15 Setembro 2018

No Orçamento, o Governo deverá reforçar as verbas para a Saúde em 300 milhões de euros. Ao mesmo tempo, fontes do Executivo admitem que as metas orçamentais podem ficar melhor do que o previsto.

O Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) deverá contar com um reforço de verbas para a Saúde de 300 milhões de euros face ao ano anterior, avança o jornal Público (acesso condicionado). Esta aposta acontece na mesma altura em que fontes do Executivo admitem que a meta do défice para este ano possa fechar melhor do que o previsto, acrescenta o mesmo diário.

A um mês da entrega do OE no Parlamento, está previsto que o investimento em Saúde fique mais de mil milhões de euros acima do montante de 2015, o último ano de governação de Passos Coelho, o que significa mais 300 milhões de euros do que em 2018, detalha o Público.

Além da aposta na Cultura e na Ciência, já anunciadas publicamente por António Costa, também a Defesa deverá contar com novidades neste Orçamento.

Estas opções acontecem ao mesmo tempo que no Executivo se admite que o défice deste ano possa ficar abaixo dos 0,7% projetados no Programa de Estabilidade, em abril, para este ano. Este valor está, porém, influenciado pela injeção de mais de 700 milhões de euros que foi feita no Novo Banco e que vale 0,4% do PIB. Ou seja, sem medidas extra, o défice é de 0,3% do PIB.

O jornal conta ainda que em relação a 2019 existem correntes de pensamento diferentes dentro do Governo, em que uma delas aponta para uma nova meta de défice abaixo dos 0,2% do PIB fixados em abril.

Esta semana, o Fundo Monetário Internacional (FMI) desafiou o Governo a apresentar resultados melhores em matéria orçamental.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE 2019 prevê mais 300 milhões para a Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião