Défice poderá ficar perto dos 0% no final do ano

  • ECO
  • 1 Setembro 2018

Este ano, a meta do défice já desceu dos 1,1% do PIB que constam do OE 2018 aprovado pelos deputados no Parlamento para os 0,7% do PIB que constam do Programa de Estabilidade.

O défice poderá ficar mais perto dos 0% ainda este ano, avança o Expresso (acesso condicionado) na edição online desta manhã. O Ministério das Finanças não confirma nem desmente se irá rever novamente em baixa a meta do défice orçamental para o ano de 2018, o que poderá acontecer até 15 de outubro, data de entrega do Orçamento do Estado para 2019.

No entanto, os dados revelados esta semana pela Direção-Geral do Orçamento revelam um segundo semestre “sem surpresas” o que, segundo o Expresso, “permitirá a Mário Centeno superar a proeza de 2017 e fechar 2018 com um défice ainda mais próximo de 0%”.

Este ano, a meta do défice já desceu dos 1,1% do PIB que constam do OE 2018 aprovado pelos deputados no Parlamento para os 0,7% do PIB que constam do Programa de Estabilidade que o Governo submeteu, em abril, a Bruxelas.

As receitas estão a crescer 5,3%, ligeiramente acima dos 5,2% implícitos no OE 2018, e as despesas estão a crescer 2,5%, bem abaixo dos 6,3% aprovados, segundo os dados sobre a conta consolidada das administrações públicas até julho. Ao jornal, o professor de Finanças Joaquim Miranda Sarmento, alerta para as metas do Governo bem mais exigentes do que as constantes dos boletins da DGO. A meta do défice em contabilidade pública a alcançar no final do ano rondará os €2,7 mil milhões em vez dos €3,5 mil milhões referidos no boletim da DGO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice poderá ficar perto dos 0% no final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião