INE confirma aceleração do PIB. Consumo privado cresceu 2,6% no segundo trimestre

A economia portuguesa cresceu 2,3% no segundo trimestre em relação ao período homólogo, revelou o INE, confirmando a estimativa inicial. O consumo privado impulsionou a atividade.

O PIB cresceu 0,5% no segundo trimestre em relação aos primeiros três meses e 2,3% face ao mesmo período do ano anterior, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta sexta-feira, confirmando os números provisórios avançados a 14 de agosto, e a aceleração da economia portuguesa face ao arranque do ano. O consumo privado cresceu 2,6%, com a procura interna a servir de motor para a atividade económica.

No primeiro trimestre, o PIB tinha crescido 0,4% em cadeia e 2,1% em termos homólogos.

O INE explica que, para o crescimento homólogo da economia no segundo trimestre, contribuiu decisivamente a procura interna, que deu um contributo de 2,9 pontos percentuais (p.p.), isto é, 1,3 vezes superior à taxa de variação homóloga do PIB naquele período. Já a procura externa líquida deu um contributo negativo de 0,7 pontos percentuais.

Porém, nem todas as componentes da procura interna contribuíram para a evolução do crescimento económico no segundo trimestre. “O consumo privado (Despesas de Consumo Final das Famílias Residentes e Das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias) aumentou 2,6% em termos homólogos, mais 0,5 p.p. que no trimestre anterior, enquanto o consumo público apresentou uma variação homóloga de 0,4% (0,3% no trimestre anterior). O investimento desacelerou, passando de um crescimento homólogo de 7,1% no primeiro trimestre para 6,4%”, escreve o INE. O contributo negativo da procura externa líquida agravou-se, passando de -0,6 p.p. para -0,7 p.p.

Em reação a estes números, o Ministério das Finanças assinalou o 17.º trimestre consecutivo de crescimento económico, o que considera ser “o melhor garante de resiliência da economia portuguesa face às exigências macroeconómicas e de provisão sustentável de serviços públicos”.

Consumo de bens duradouros dispara à custa da venda de carros

A aceleração do consumo privado resultou das despesas em bens duradouros, que o INE atribui à evolução da compra de automóveis. “As despesas em bens duradouros aceleraram para uma variação homóloga de 8,8% (2,6% no primeiro trimestre), devido em larga medida ao aumento verificado na componente automóvel“.

Dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) mostram que até julho as vendas de carros aumentaram 10,5% face ao período homólogo. Uma alteração fiscal que aumentava o preço dos carros estava prevista para setembro, levando várias marcas a fazer campanhas de vendas antes desse período. Esta alteração acabou por ser adiada.

Já o investimento abrandou entre o primeiro e o segundo trimestre, com a taxa de variação homóloga a passar de 7,1% para 6,4%. O INE justifica que “o abrandamento da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) total resultou, em grande medida, da diminuição da FBCF em material transporte, que passou de uma variação homóloga de 11,3% no primeiro trimestre para -6,6%, refletindo o efeito base da forte aceleração verificada no segundo trimestre de 2017”.

As exportações aceleram entre o primeiro e o segundo trimestre, mas as importações também, apresentado taxas de crescimento superiores às das vendas de bens e serviços para exterior. A taxa de variação homóloga das exportações passou de 4,7% para 6,8% e a taxa de variação homóloga das importações saltou de de 5,6% para 7,9%.

O crescimento da economia no segundo trimestre em relação aos três meses anteriores — de 0,4% — foi também impulsionado pela procura interna, que contribuiu com 0,8 pontos percentuais, já que a procura externa liquida deu um contributo negativo de 0,3 pontos percentuais.

Neste caso, o consumo privado apresentou uma taxa de variação em cadeia nula, mas as despesas com bens duradouros também revelaram um impulso, já que cresceram 4,7%.

(Notícia atualizada às 12:54 com reação do Ministério das Finanças)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE confirma aceleração do PIB. Consumo privado cresceu 2,6% no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião