Um café, um quarto ou um cowork. Ikea quer tudo isto, num carro autónomo

O laboratório de inovação da empresa sueca anunciou que está a estudar como será o futuro com a introdução dos carros autónomos. Uma oportunidade de negócio para o Ikea?

A transformação digital não está a passar ao lado do Ikea. A empresa sueca está a torna-se uma empresa tecnológica, primeiro adquiriu a plataforma Task Rabbit, introduziu aparelhos eletrónicos e inteligentes e lançou aplicativos de realidade aumentada. Agora, está prestes a transformar outra área, a do transporte, avança a Fast Company (acesso livre, conteúdo em inglês).

Ainda na semana passada, o Ikea anunciou uma mudança para uma frota de veículos com emissões zero. Esta semana, o laboratório de inovação do Ikea, o Space10, anunciou que está a estudar como será o futuro com carros autónomos.

Em colaboração com o estúdio de design Foam, o laboratório do Ikea lançou um conjunto de sete carros modelos, destinados a ajudar as pessoas a pensar sobre como os interiores dos carros podem mudam quando estamos a falar de carros autónomos.

Entre eles, há um carro que é uma loja, outro que é um supermercado, um café e um hotel, que as pessoas podem ver em realidade aumentada, através da aplicação da Space10. Quanto ao design, o interior dos veículos é relativamente simples, caracterizado pelo minimalismo sueco, com linhas curvas e limpas.

Na visão da empresa sueca, os carros autónomos vão mudar radicalmente a forma como ainda vemos os carros, tanto por fora como por dentro. No interior, vão oferecer uma gama de serviços como, por exemplo, coworking ou entretenimento no trânsito. “O dia em que veículos totalmente autónomos atingem as nossas ruas é o dia em que carros não são mais carros. Eles podem ser qualquer coisa”, afirmou o cofundador da Space10, Simon Casperson, à publicação americana.

Em breve, “o futuro do interior dos carros será bem mais parecido com o design dos espaços de convivência do que com qualquer coisa específica para o transporte”, disse o gerente de inovação do Ikea, Göran Nilsson, em comunicado. “De repente é uma área em que temos muita experiência”, acrescentou, assumindo que poderá ser uma nova área de negócio no futuro.

Quem não gostaria de um showroom privado sobre rodas?

Os carros modelos do Space10 são mais uma prova de que a empresa está a tentar pôr-se à prova nas futuras tendências, à medida que os hábitos de vida vão mudando. Independentemente das várias possibilidades de interiores que os carros autónomos oferecem, há ainda outra opção.

Em vez de percorrer alguns quilómetros para ir a uma loja, imagine se tivesse um carro cheio de móveis pré-selecionados por si que viaja, de forma autónoma, até ao local onde se encontra. Uma espécie de showroom privado do Ikea na sua rua.

Ikea a par da novas tendências de urbanização

O Ikea tem estado concentrado na rapidez com que a urbanização, aliada à transformação digital, mudará a maneira como vivemos. O catálogo de 2018 da empresa apresentava, por exemplo, um estúdio para uma mãe solteira, onde o quarto da criança era literalmente um armário, e a legenda que acompanhava a foto dizia “Esta geração não acredita em paredes de qualquer maneira”.

Discretamente representada no catálogo anual, o Ikea antecipou também a decoração dos micro apartamentos, aqueles que a maioria dos millennials pode pagar, se quiser viver no centro da cidade.

E, se preferir mudar de planeta, o Ikea até estudou como é que as pessoas podem viver em Marte, para conseguir criar produtos específicos que possa, um dia, levar a empresa para outro patamar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um café, um quarto ou um cowork. Ikea quer tudo isto, num carro autónomo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião