Fintech e regtech em debate na Cuatrecasas

O mote do evento é mostrar de que forma as soluções tecnológicas aplicadas ao trabalho regulatório e aos serviços financeiros podem apoiar as instituições financeiras. Decorre no próximo dia 21.

A Cuatrecasas e o Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR) debatem o futuro das regtech e fintech, no próximo dia 21 de setembro. O debate vai contar com a presença de Hanna Deleanu, investigadora da Universidade de Utrecht, cujo trabalho se foca na conceção de mecanismos de governance que reduzam o crime financeiro ao nível da corrupção e branqueamento de capitais.

O debate surge numa altura “em que o setor financeiro tem estado particularmente vulnerável à disrupção, com novos agentes económicos a emergirem e a agitarem o mercado”, refere Paulo Costa Martins, sócio de bancário, financeiro e mercado de capitais da Cuatrecasas. Destina-se, por isso, a clientes e parceiros que queiram perceber como as melhores soluções tecnológicas aplicadas ao trabalho regulatório e aos serviços financeiros podem apoiar as instituições financeiras.

“A PSD2 e o aparecimento das fintechs, conjugado com uma alteração dos hábitos dos consumidores, está a operar uma mudança de paradigma no setor financeiro”, acrescenta o advogado.

Também Miguel Trindade Rocha, diretor na EY e presidente executivo do OPCR diz que houve um aumento da regulação de forma acentuada e que esta se tornou “mais complexa e árdua, levando as instituições a uma maior atenção aos temas regulatórios, bem como, inevitavelmente, a uma acrescida pressão ao nível dos custos”.

Entre outros temas, vão ser abordadas as formas de implementar regtech para redução de custos de aumento da transparência, bem como casos de sucesso e insucesso que ajudam a decidir sobre soluções fintech.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fintech e regtech em debate na Cuatrecasas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião