Fintech e regtech em debate na Cuatrecasas

O mote do evento é mostrar de que forma as soluções tecnológicas aplicadas ao trabalho regulatório e aos serviços financeiros podem apoiar as instituições financeiras. Decorre no próximo dia 21.

A Cuatrecasas e o Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR) debatem o futuro das regtech e fintech, no próximo dia 21 de setembro. O debate vai contar com a presença de Hanna Deleanu, investigadora da Universidade de Utrecht, cujo trabalho se foca na conceção de mecanismos de governance que reduzam o crime financeiro ao nível da corrupção e branqueamento de capitais.

O debate surge numa altura “em que o setor financeiro tem estado particularmente vulnerável à disrupção, com novos agentes económicos a emergirem e a agitarem o mercado”, refere Paulo Costa Martins, sócio de bancário, financeiro e mercado de capitais da Cuatrecasas. Destina-se, por isso, a clientes e parceiros que queiram perceber como as melhores soluções tecnológicas aplicadas ao trabalho regulatório e aos serviços financeiros podem apoiar as instituições financeiras.

“A PSD2 e o aparecimento das fintechs, conjugado com uma alteração dos hábitos dos consumidores, está a operar uma mudança de paradigma no setor financeiro”, acrescenta o advogado.

Também Miguel Trindade Rocha, diretor na EY e presidente executivo do OPCR diz que houve um aumento da regulação de forma acentuada e que esta se tornou “mais complexa e árdua, levando as instituições a uma maior atenção aos temas regulatórios, bem como, inevitavelmente, a uma acrescida pressão ao nível dos custos”.

Entre outros temas, vão ser abordadas as formas de implementar regtech para redução de custos de aumento da transparência, bem como casos de sucesso e insucesso que ajudam a decidir sobre soluções fintech.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fintech e regtech em debate na Cuatrecasas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião