Taxistas acusam ministro do Ambiente de lhes atirar “areia para os olhos”

  • Lusa
  • 25 Setembro 2018

João Pedro Matos Fernandes disse esta terça-feira que estava disponível para discutir a modernização do setor, e que a lei que regula as plataformas foi "aprovada por larguíssima maioria".

Um representante dos taxistas que há uma semana estão em protesto em Faro acusou esta terça-feira o ministro do Ambiente de estar a atirar-lhes “areia para os olhos” ao dizer que está disponível para discutir a modernização do setor.

“O ministro do Ambiente está a atirar-nos areia para os olhos, os táxis nunca pediram modernização, temos carros com equipamentos sofisticados e faturação certificada, tudo pago por nós”, disse à Lusa Romão Alves, delegado regional de Faro da Federação Portuguesa do Táxi.

João Pedro Matos Fernandes manifestou esta terça-feira disponibilidade para discutir a modernização do setor, mas reiterou que “nenhuma classe profissional” tem poder para inibir uma lei da República, como a que regula as plataformas eletrónicas de transporte.

Romão Alves sublinhou que os taxistas “não querem modernização”, mas sim que a lei estabeleça “equidade” entre o setor e as plataformas e que possam ser os municípios a assumir integralmente a definição dos contingentes, uma vez que “a mobilidade é uma questão que também preocupa as autarquias”.

Este é o sétimo dia em os taxistas mantêm protestos em Lisboa, Porto e Faro, com centenas de carros parados contra a lei que regula a Uber, Cabify e outras plataformas eletrónicas que, considerou João Pedro Matos Fernandes, são “uma atividade económica banal” e não tem vantagens de que desfrutam os táxis.

De acordo com o ministro do Ambiente, a lei que regula as plataformas foi “aprovada por larguíssima maioria e andou dois anos a ser trabalhada”, mas os taxistas só pediram uma reunião quando a lei já estava no parlamento e “não se discute com o Governo uma lei que está na Assembleia da República”.

No Algarve, os taxistas mantêm-se firmes junto ao aeroporto de Faro e ponderam juntar-se, em conjunto com os profissionais do Porto, ao protesto em Lisboa, na quarta-feira, na Assembleia das República.

Desde quarta-feira que um grupo de cerca de 200 taxistas se mantém junto aos carros, que ocupam duas faixas de rodagem da Estrada Nacional 125/10, perto da rotunda de acesso ao aeroporto de Faro.

Na segunda-feira, as associações que representam os taxistas foram recebidas por um assessor de António Costa, mas para o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, o encontro foi “uma manobra de diversão”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxistas acusam ministro do Ambiente de lhes atirar “areia para os olhos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião