EDP corta estimativas de lucros. Ações afundam mais de 3%

A EDP cortou as estimativas de lucros para este ano. Os CMEC vão baixar até 37,5% os resultados líquidos da empresa, o que está a pressionar os títulos na bolsa de Lisboa.

A EDP está a deslizar em bolsa. As ações da elétrica recuam mais de 3%, isto depois de a empresa liderada por António Mexia ter avançado com um corte expressivo nas suas estimativas de resultados líquidos para este ano. Um profit warning explicado com os encargos associados as alegadas sobrecompensações com os CMEC.

Os títulos encerraram a última sessão a cotar nos 3,287 euros. Estão a perder 3,2% para os 3,19 euros, depois do anúncio feito após o fecho do mercado, sendo que a queda só não é mais expressiva porque a empresa está a ser alvo de uma OPA da China Three Gorges que apresenta uma contrapartida de 3,26 euros.

A EDP baixou de 800 milhões para 500 a 600 milhões de euros a estimativa de resultados para este ano por causa dos CMEC, mas deixou a garantia aos acionistas — que vão recorrer aos tribunais internacionais para contestar a decisão do Governo — que o impacto nos lucros “não terá qualquer impacto na política de dividendos da EDP”. Uma garantia que também dá algum suporte à cotação.

EDP em queda na bolsa. Recua mais de 3%

A EDP Renováveis, por seu lado, segue inalterada nos 8,80 euros, apesar de o Jornal Económico revelar que o Governo está a negociar com o Bloco de Esquerda e PCP a a extensão da contribuição extraordinária sobre o setor energético, extinguindo assim a isenção à produção em regime especial, prevista desde 2014.

Do lado das quedas, nota também para o BCP, que recua quase 1% para os 26,17 cêntimos, enquanto a Jerónimo Martins e a Sonae recuam 0,12% e 0,5%, respetivamente. Desempenhos que levam o PSI-20 a perder 0,6% para 5.391,83 pontos, isto numa sessão que está ser negativa também nas restantes praças europeias.

O Stoxx 600 cai 0,2%, assim como a generalidade dos mercados do Velho Continente onde se destaca a praça italiana. O MIB cede 1,2%, para mínimo de uma semana, depois de a coligação no poder ter acordado em encerrar os exercícios de 2019, 2020 e 2021 com um défice orçamental de 2,4% do PIB.

(Notícia atualizada às 8h10 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP corta estimativas de lucros. Ações afundam mais de 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião