Número de clientes com serviços adicionais na fatura da luz e do gás triplica

  • Lusa
  • 28 Setembro 2018

No final do primeiro semestre, o número de consumidores com serviços ou produtos adicionais, com o seu fornecedor de energia, era cerca de 800 mil, na eletricidade, e 220 mil, no gás natural.

Mais de um milhão de consumidores tinham no final do primeiro semestre serviços ou produtos adicionais com o fornecedor de energia, o triplo dos existentes em março de 2017, segundo dados da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

De acordo com um comunicado do regulador, no final do primeiro semestre deste ano, o número de consumidores que tinham serviços ou produtos adicionais, com o seu fornecedor de energia, representava já cerca de 800 mil, na eletricidade, e 220 mil, no gás natural.

Em março de 2017, a ERSE informou que os serviços adicionais ao fornecimento de energia abrangiam então 300 mil consumidores.

Em causa estão serviços de assistência técnica, manutenção de equipamentos e seguros, que são disponibilizados atualmente por cinco comercializadores no mercado liberalizado.

A questão dos serviços adicionais associados ao fornecimento de eletricidade e de gás natural foi, no ano passado, motivo de uma recomendação às empresas, depois de várias denúncias de consumidores, e chegou a ser debatido no parlamento, por requerimento do PSD.

De acordo com a ERSE, os cinco comercializadores, que atualmente disponibilizam no mercado liberalizado produtos ou serviços adicionais […] acolheram a sua recomendação (nº1/2017) destinada a reforçar a proteção dos consumidores.

Apesar de estes serviços adicionais comercializados não integrarem a atividade de fornecimento de energia e estarem fora da regulação e supervisão da ERSE, “estes devem ser enquadrados nas disposições legais em vigor relativas ao fornecimento de bens e prestação de serviços, no que toca às regras que visam a salvaguarda dos consumidores”, refere o regulador.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de clientes com serviços adicionais na fatura da luz e do gás triplica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião