Exclusivo CTT vão lançar a “Uber das encomendas”. App chega “ainda este ano”

Os CTT vão ter uma aplicação que vai permitir a um utilizador chamar um estafeta, que recolhe um objeto e o deixa no destino em uma ou duas horas. A "Uber das encomendas" chega ainda este ano.

Novo serviço dos CTT vai permitir chamar um estafeta para fazer uma entrega rápida em Lisboa.CTT

Os CTT querem lançar ainda este ano um serviço de entregas rápido que a empresa considera ser a “Uber das encomendas”. Trata-se de uma aplicação através da qual o utilizador poderá chamar um estafeta, que passa por um local para recolher o objeto e o entrega no destino definido pelo cliente. Dependendo do tipo de serviço escolhido, a entrega pode decorrer em uma ou duas horas, ou no período do decorrer do dia.

Esta informação foi revelada ao ECO por Alberto Pimenta, diretor da área de comércio eletrónico dos CTT. “Vai ser um piloto comercial que vamos lançar ainda este ano, na cidade de Lisboa. É um serviço que vai estar assente em duas apps, para Android e iOS, em que o estafeta também vai ter uma app“, afirmou, em entrevista.

Questionado sobre quem são os concorrentes desta nova aplicação dos CTT, Alberto Pimenta preferiu falar em “fatores diferenciadores”, mas não escondeu as semelhanças do novo conceito desenvolvido pelos CTT com os modelos da UberEATS e da Glovo, cada um com a sua especialidade.

“Vamos focar-nos mais nas entregas ocasionais e também ligadas à integração com plataformas de comércio eletrónico. Vamos prestar um serviço de estafeta, entrega de encomendas, documentos, compras no B2B [negócios entre empresas], compras no B2C [negócios particulares], ou seja, aquilo que é a nossa natureza e que, dentro das encomendas, já fazemos”, disse Alberto Pimenta.

Ainda que tencione recorrer inicialmente aos estafetas próprios, os CTT não descartam vir a aceitar que outras pessoas trabalhem para o serviço. Poderá recorrer a estafetas externos ou freelancers, como funcionam outras aplicações de entregas rápidas já presentes no mercado português.

Até ao final deste ano, vamos lançar no mercado uma solução de entregas same day, que tem janelas de tempo até mais curtas, de uma hora, duas horas, dentro da cidade de Lisboa.

Alberto Pimenta

Diretor de e-commerce dos CTT

As entregas rápidas ou instantâneas são uma tendência cada vez maior no mercado. A empresa está consciente disso, pelo que este novo serviço é uma aproximação da empresa, que não pretende ficar para trás numa área que lhe diz muito. “É um desafio para qualquer operador, o same day“, desabafou Alberto Pimenta, classificando-a como uma palavra-chave que deve estar no “horizonte” de qualquer operador.

“Desde há dez anos até hoje, e se olharmos para os gráficos da evolução dos tempos de entrega e como evoluíram os preços, há aqui uma tendência inexorável: cada vez mais, as entregas têm de ser feitas em tempos cada vez mais curtos e a preços cada vez mais baixos”, frisou o diretor de e-commerce dos CTT.

Com a queda do tráfego do correio, a empresa tem implementado uma estratégia de foco no negócio do Expresso e Encomendas, que já pesa cerca de 20% do negócio dos CTT. O correio ainda pesa cerca de 70%, segundo números de Alberto Pimenta. “O futuro dos correios vai passar pelas encomendas e pelo expresso, muito alavancado pelo comércio eletrónico”, concluiu o diretor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT vão lançar a “Uber das encomendas”. App chega “ainda este ano”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião