Portugal paga mais pela dívida a dez anos. Arrecada mil milhões

Dois meses depois da última ida ao mercado de dívida de longo prazo, Portugal captou mil milhões de euros em obrigações a cinco e dez. Taxa baixou a cinco, subiu a dez anos.

Portugal conseguiu os mil milhões de euros que pretendia no duplo leilão de dívida de longo prazo, o primeiro depois das férias de verão. Pagou menos a cinco, mas mais no prazo a dez anos, numa operação de financiamento realizada em vésperas de mais uma revisão do rating do país, desta vez por parte da Standard & Poor’s.

De acordo com os dados da Reuters, o IGCP, liderado por Cristina Casalinho, colocou a “fatia” mais pequena dos mil milhões em obrigações do Tesouro a cinco anos, prazo em que os investidores exigiram uma taxa de 0,647%. Este juro compara com o de 0,746% na última emissão comparável, realizada em junho.

No prazo a dez anos, a agência que gere a dívida pública arrecadou 672 milhões de euros. Nesta maturidade, a de referência, a taxa subiu para 1,854%, num leilão em que a procura superou a oferta em 2,02 vezes.

A última vez que Portugal realizou uma emissão de longo prazo foi a 11 de julho, quando colocou 950 milhões de euros em títulos com maturidade a dez e 16 anos, tendo pago uma taxa de 1,727% na maturidade de referência. Desde então, só tinha havido mais um leilão, a 15 de agosto, mas de curto prazo.

Portugal regressou, assim, com sucesso aos leilões de dívida, depois da “interrupção” no financiamento junto dos mercados é habitual nesta época do ano. O período do verão tende a afastar investidores do mercado, havendo assim uma redução na procura que leva ao adiamento de novas emissões.

Esta operação realizou-se antes de Portugal voltar a ser avaliado pela S&P. A agência de notação financeira norte-americana vai rever o rating do país esta sexta-feira, depois do fecho dos mercados, sendo grande a expectativa sobre uma eventual alteração da classificação atribuída. O Governo acredita numa revisão em alta da notação que está em” BBB-“.

A S&P foi a primeira grande agência de rating a tirar a dívida portuguesa de “lixo”, movimento depois seguido pela Fitch. Atualmente, e tendo em conta que a DBRS sempre manteve uma classificação de qualidade à divida nacional, permitindo ao país ser elegível para o programa de compras do Banco Central Europeu que está, agora, a chegar ao fim.

Em agosto, o BCE comprou 562 milhões de euros de dívida portuguesa, estando já num processo de redução do ritmo de compras de títulos soberanos. O fim do programa, diz Cristina Casalinho, até deverá ser positivo para Portugal, acreditando que não haverá “um impacto muito significativo”.

“A possível subida de taxas de juro de longo prazo pela menor presença de um investidor muito significativo pode aliás funcionar como fator de atratividade para novos investidores”, afirmou recentemente a responsável pela agência que tem a seu cargo a gestão do 248,2 mil milhões de euros de dívida pública.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga mais pela dívida a dez anos. Arrecada mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião