É hoje que a Apple joga os trunfos. E tem um trio de iPhones

A tecnológica que já vale um bilião vai a jogo esta quarta-feira. É o dia em que a empresa deverá apresentar três novos iPhones e atualizar outras gamas de aparelhos. Saiba que novidades esperar.

Esta quarta-feira é o dia “A” de Apple. Por volta das 18 horas, Tim Cook, o presidente da marca deverá subir ao palco do Steve Jobs Theater para dar início à conferência anual da fabricante do iPhone. É neste evento que a empresa apresenta as principais novidades para o ano, bem como atualizar a gama dos telemóveis que representam a principal fonte de receita da empresa. Este ano espere, não um, não dois, mas três novos iPhones. Mais do que é habitual.

A Apple nunca confirma nada antes do evento. Há sempre uma nota de mistério no ar. Mas há já vários anos que a empresa deixou de conseguir guardar segredo e conter as fugas de informação. A cadeia de fornecedores é tal, e o número de pessoas chega aos milhares, o que faz com que o evento da marca seja sempre antecedido de muitos rumores. Uns falsos mas, muitos deles verdadeiros.

Por isso, pode esperar, quase certamente, os três novos iPhones de que lhe falámos no primeiro parágrafo deste texto. Serão três novos modelos e o mercado está a antecipar uma subida dos preços. Ou seja, se o iPhone X, apresentado há precisamente um ano, já era o telemóvel mais caro alguma vez produzido pela marca, o novo flagship da Apple deverá custar ainda mais.

O ECO preparou um breve guia sobre as principais novidades que a Apple poderá apresentar esta quarta-feira. Para além dos iPhones, existirão outros produtos e atualizações na calha. Ora veja.

Três novos iPhones

Com base em informações inicialmente avançadas pela Bloomberg (acesso condicionado), a Apple deverá apresentar três modelos do iPhone, com designações diferentes do habitual. Espere um iPhone XS, um iPhone low-cost chamado XC e um topo de gama acima do XS, que ainda não se sabe se foi batizado de XS Plus ou de XS Max. Pela primeira vez, a Apple também poderá dar a hipótese de ter dois cartões SIM ao mesmo tempo no telemóvel.

O iPhone XS deverá ser o principal aparelho a ser revelado. Deverá ter um ecrã OLED de 6,1 polegadas, com grande qualidade e pouco espaço nas margens. Conte com a tecnologia de reconhecimento facial Face ID e, possivelmente, o fim do botão “Home”, já antecipado pelo mercado há vários anos, de acordo com a Vox.

O iPhone XS Max (ou XS Plus) deverá ser um irmão maior do modelo anterior. Poderá ter um ecrã de 6,8 polegadas, com as mesmas funcionalidades do iPhone XS, mas mais capacidade de bateria (para aguentar o ecrã maior). Há rumores que apontam para que este também seja um ecrã OLED, o que faria sentido se o ecrã do iPhone XS for, realmente, um ecrã OLED de última geração.

Mas esta é uma grande incógnita, uma vez que a Apple não produz ecrãs deste género e tem de recorrer a fornecedores externos que, como aconteceu no ano passado, não tiveram a capacidade suficiente para produzir estes componentes ao ritmo pedido pela marca. De qualquer forma, é pouco provável que a Apple desça a fasquia este ano, uma vez que a tecnologia já vem incluída no iPhone X, apresentado no ano passado.

Quanto ao iPhone XC… por onde começar? Lembra-se do iPhone 5C, com capa em plástico de diferentes cores, do azul ao vermelho? Na altura, falava-se que seria o modelo low-cost da Apple. O certo é que era de facto mais barato, mas continuava a não ser acessível a todas as carteiras. Este ano, a Apple poderá ter recuperado a ideia, ao apresentar um iPhone XC, não tão caro como o iPhone XS — mas, ainda assim, caro. Não se surpreenda se o preço namorar os 900 euros, um valor próximo do salário médio nacional.

Os novos telemóveis também deverão contar com uma paleta de cores atualizada. O 9to5Mac garante que os novos iPhones poderão ser adquiridos em dourado, cinzento, branco, azul, vermelho e laranja.

Um novo Watch

Já era hora de a Apple acertar o relógio. Passaram três anos desde que a empresa introduziu o Apple Watch no mercado e, como nota a CNN, é tempo de evoluir a sério.

Por isso, espere ver um novo relógio inteligente da Apple. Mas não antecipe novidades estrondosas, porque as fotos já obtidas pela imprensa especializada não mostram grande novidade ao nível do design. Ainda assim, conte com melhorias no hardware, novas faces para o aparelho e um ecrã ligeiramente maior, com margens de menor dimensão.

Segundo a CNN, é provável que os acessórios do modelo anterior sejam compatíveis com a nova versão e, antecipamos nós, não é loucura antecipar uma nova gama de braceletes para o aparelho. É o habitual.

O Apple Watch deverá conhecer um sucessor esta quarta-feira.Pixabay

O poder do ar

Há precisamente um ano, a Apple apresentou um gadget que, basicamente, seria um carregador wireless para o iPhone, Apple Watch e AirPods, tudo em simultâneo. Era como uma base para pôr na mesa-de-cabeceira, em que os aparelhos carregariam a bateria com o simples poder do toque… ou do ar.

A Apple batizou este produto de AirPower e tê-lo-á considerado suficientemente desenvolvido para o apresentar ao mercado. Mas, desde então, nunca mais falou dele. Isso mesmo: a Apple apresentou um produto e nunca chegou a dar mais informações sobre quando iria chegar às lojas.

É por isso que alguma imprensa especializada está a antecipar que é esta quarta-feira que o AirPower vai poder sair à rua sozinho — um ano depois de ver a luz do dia. Eventualmente, a Apple poderá divulgar em que data é que o produto chega às lojas, e a que preço.

One last thing

Steve Jobs tinha o hábito de terminar as apresentações com uma surpresa. Dizia “one last thing” — ou seja, “uma última coisa”. Por isso, antecipamos aqui, em linhas gerais, outras novidades que poderão surgir no evento da Apple esta quarta-feira.

Segundo o Financial Times (acesso pago), a marca poderá apresentar novos iPads e MacBooks. No entanto, nos últimos anos, a empresa tem optado por atualizar estas gamas num evento a ter lugar durante o mês de outubro. O mercado está à espera de um novo iPad Pro com reconhecimento facial e sem o botão “Home”, como se prevê que seja o novo iPhone. E de um MacBook mais barato.

Acredita-se que a empresa poderá aproveitar a oportunidade para lançar também uns novos AirPods, os auscultadores sem fio que surgiram em 2016, mais ou menos na mesma altura em que a marca ousou remover a entrada de auscultadores do iPhone. A informação é do USA Today.

Tim Cook vai subir ao palco esta quarta-feira para dar início à apresentação de novidades.EPA/APPLE HANDOUT

Só mesmo para terminar, importa recordar que a Apple, este ano, já joga num campeonato mais à frente. A empresa vale agora mais de um bilião de dólares, ou 1.000.000.000.000 dólares. O desempenho dos próximos trimestres (o ano fiscal da Apple começa em setembro) vão ditar se a empresa aumenta o seu valor, ou é ultrapassada por uma das várias tecnológicas a caminho deste patamar. A empresa estima vender 220 milhões de iPhones este ano, um número em linha com o do ano passado.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

É hoje que a Apple joga os trunfos. E tem um trio de iPhones

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião