Os nomes dos três novos iPhones: 8, 8 Plus e X

Pedaços de código no sistema que vai integrar os novos iPhones expuseram o nome que a Apple vai dar aos três aparelhos: iPhone 8, iPhone 8 Plus e iPhone X.

A versão mais musculada do novo telemóvel da Apple, que servirá para assinalar os dez anos da chegada do produto ao mercado, terá o nome comercial de “iPhone X”. Será também a versão com mais novidades e o produto mais importante para a marca, além de se esperar que venha a ser ainda o mais caro da gama.

A informação foi avançada pela Bloomberg. Trechos de código informático na nova versão do iOS, o sistema operativo móvel da Apple, confirmam os rumores de que as três próximas versões do iPhone, que a marca deverá lançar esta terça-feira, se vão chamar “iPhone 8”, “iPhone 8 Plus” e “iPhone X”. A descoberta foi feita pelo programador Steven Troughton-Smith, que publicou o achado no Twitter.

O evento da Apple desta terça-feira decorrerá, pela primeira vez, no Steve Jobs Theatre, nas novas instalações da empresa em Cupertino, um auditório com a capacidade para 1.000 lugares sentados. É ainda um dos mais antecipados, com as expectativas dos fãs da marca bem lá no alto, o que significa mais pressão para a empresa de Tim Cook.

Como o ECO já resumiu aqui, o iPhone X deverá ser a versão premium do dispositivo, onde se espera que a empresa inclua diversas tecnologias novas, algumas delas já presentes em modelos baseados em Android. Entre elas está o carregamento sem fios (inductive charging), assim como um ecrã curvo OLED (cores mais naturais, contrastadas e brilhantes). Esse ecrã também deverá ser maior do que o habitual e o telemóvel terá margens menores.

Os restantes modelos, o iPhone 8 e o iPhone 8 Plus, serão as evoluções dos iPhone 7 e 7 Plus lançados no ano passado. Também se espera mudança e muitas melhorias, uma vez que a Apple pouco mudou ao nível do desenho dos aparelhos e das tecnologias que os integram desde que introduziu o iPhone 6 em 2014. O evento da Apple decorre esta terça-feira às 18h00 em Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os nomes dos três novos iPhones: 8, 8 Plus e X

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião