Está a chegar setembro, mês do novo iPhone. O que esperar?

A Apple deverá lançar um novo iPhone nas próximas semanas. São esperados três modelos do telemóvel que está há dez anos no mercado. E um deles será uma edição limitada cheia de novidades. Conheça-as.

Setembro está quase aí — e, com ele, um novo iPhone verá a luz do dia. Como é hábito, a Apple fecha-se em copas sobre o que esperar do telemóvel mais antecipado do mercado. Mas é também comum que se saiba de todas as novidades através de fugas de informação nas páginas dos jornais.

Este é um desses artigos. Como será o próximo iPhone? Primeiro, a data da apresentação. Ainda não está confirmada, mas os últimos rumores apontam para dia 12 de setembro, de acordo com o site TechRadar. A confirmação chegará quando a Apple enviar os convites aos jornalistas e parceiros, o que deverá estar para muito breve.

Não dois, mas três iPhones

É tido como certo que a empresa liderada por Tim Cook vai aproveitar a ocasião para assinalar os dez anos do lançamento do iPhone. O jornalista da Bloomberg Mark Gurman, conhecido pelas fontes que tem dentro da empresa, tem vindo a afirmar há já vários meses que a empresa lançará não um, nem dois, mas três modelos do iPhone. Um deles será premium, de edição limitada, com mais novidades do que o habitual — e, seguramente, mais caro.

Os três modelos terão melhorias a nível dos processadores e os dois modelos ditos “normais” deverão ser evoluções dos iPhones 7 e 7 Plus atualmente no mercado. Será, portanto, na versão premium que a Apple irá experimentar algumas das últimas tecnologias e tendências do setor.

Segundo Gurman, o novo iPhone premium deverá ter ecrã com tecnologia OLED, com mais contraste e cores mais naturais do que o habitual. A dimensão também deverá ser superior, devendo haver uma tentativa da Apple em reduzir ou eliminar as margens, à semelhança do que a Samsung fez com o Galaxy S8 e com o Note8.

Na parte superior, ao centro e à frente, deverá haver espaço para um conjunto de novos sensores, como um sensor de reconhecimento facial para desbloquear o telemóvel e validar pagamentos. O aparelho deverá ter ainda um sensor de infravermelhos para permitir usar essa funcionalidade mesmo num ambiente de escuridão.

Na parte inferior, segundo a Bloomberg, o novo iPhone deverá ter um botão Home virtual embutido no ecrã. Ainda não é certo se a Apple conseguiu, finalmente, embutir no vidro o sensor de impressões digitais. Deverá também ser possível ligar o ecrã dando-lhe um toque como já acontece com alguns telemóveis Android.

O rebordo do aparelho será em aço inoxidável num telemóvel com textura envidraçada também na parte traseira. Carregar a bateria via wireless (inductive chargind) passará a ser possível. Por fim, a Apple terá planos para tornar maior o botão de On/Off e melhorar as câmaras traseiras, de forma a permitir uma série de novidades ligadas à realidade aumentada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está a chegar setembro, mês do novo iPhone. O que esperar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião