Receitas da Apple crescem 7%. Vendeu 41 milhões de iPhones

A Apple vendeu 41 milhões de iPhones entre abril e junho deste ano, registando receitas de 45,41 mil milhões de dólares, acima das estimativas dos analistas.

A Apple registou receitas de 45,41 mil milhões de dólares no terceiro trimestre fiscal do ano, acima das estimativas dos analistas. Trata-se de um crescimento de 7% das receitas em relação aos mesmo trimestre do ano passado. A fabricante do iPhone registou ainda um ganho por ação de 1,67 dólares. O lucro da tecnológica norte-americana fixou-se nos 8,72 mil milhões de dólares, um crescimento de 11,8% em relação ao período de abril a junho de 2016.

O principal produto da empresa continua a ser o iPhone. No ano em que o telemóvel celebra uma década, a marca conseguiu vender 41 milhões de unidades, em linha com as estimativas. Os dados indicam que há mais gente a comprar iPhones mais caros, como o modelo 7 Plus, de acordo com a Bloomberg. A marca estará a preparar uma edição especial do iPhone para assinalar os dez anos do lançamento do modelo original pelo fundador da empresa, Steve Jobs.

A justificar a subida nas receitas está ainda o crescimento das vendas dos novos computadores MacBook, assim como no segmento dos serviços. As receitas com serviços como a App Store e o Apple Music dispararam 22% em termos homólogos. No geral, 61% das vendas da Apple foram em mercados foram dos Estados Unidos.

Face aos resultados, as ações da empresa dispararam nas negociações após o fecho das bolsas. Os títulos somavam quase 6%, atingindo um valor recorde próximo dos 158 dólares por ação. No próximo trimestre, que será o quarto trimestre da empresa em termos fiscais, a Apple estima obter receitas entre 49 e 52 mil milhões de dólares.

(Notícia atualizada às 21h52 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas da Apple crescem 7%. Vendeu 41 milhões de iPhones

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião