Bloomberg já viu imagens do novo iPhone. E fala em “mudança”

O jornalista de tecnologia Mark Gurman já teve acesso a imagens do novo iPhone 8, um modelo que vai assinalar os dez anos do lançamento do produto. Diz que vai mudar a forma como se usa o aparelho.

O novo iPhone deverá mudar a forma como milhões de utilizadores estão habituados a interagir com o telemóvel. A Bloomberg garante que viu imagens do novo aparelho e indica que a Apple decidiu eliminar o conceito do botão inicial, algo que existe no iPhone desde que foi lançado em 2007.

Ainda não há data marcada para o lançamento, mas os últimos rumores apontam para um evento no próximo dia 12 de setembro. A data ganhou força e credibilidade depois de a agência Dow Jones, do The Wall Street Journal, ter garantido que o habitual evento de outono da Apple vai mesmo acontecer nesse dia.

Segundo o jornalista Mark Gurman da Bloomberg, conhecido pelas fontes que tem no interior da marca da maçã, a empresa deverá lançar três modelos este ano. O mais musculado será uma edição especial para assinalar os dez anos do produto e não deverá ter botão inicial, nem mesmo um substituto digital, ao contrário do que se acreditava até aqui.

Em vez de um botão, gestos

De acordo com a agência, para esse modelo — que deverá ser também o mais caro –, a Apple testou uma nova tecnologia que substitui as funções do antigo botão por… gestos no ecrã. Será uma forma diferente de executar tarefas básicas que os utilizadores fazem dezenas (centenas?) de vezes por dia, como desbloquear o telemóvel para aceder à grelha das aplicações.

Entre esses novos gestos estará o deslizar de baixo para cima numa nova barra de software no interface do aparelho para abrir o telemóvel, ou um gesto semelhante dentro das aplicações para as funções de multitarefa. Deslizando novamente para cima irá minimizar a aplicação. A grelha permitirá seis linhas de aplicações, num total de 24 ícones por ecrã.

A Apple ainda não confirmou qualquer informação sobre o dispositivo, que deverá sofrer este ano a maior remodelação que o produto alguma vez viu numa década de existência. Além do mais, não é certo o que a marca fará ao sensor de impressões digitais Touch ID, até aqui embutido no botão inicial do telemóvel.

De resto, este novo modelo do iPhone deverá ter um tamanho equivalente ao do iPhone 7, mas com um ecrã maior, dado o esforço de reduzir as margens nos ecrãs dos telemóveis, uma tendência no mercado introduzida pela concorrente Samsung.

Espera-se que a empresa de Tim Cook inclua também, pela primeira vez, ecrãs OLED nesta versão do telemóvel. Para os utilizadores, isso significa cores mais naturais e contrastadas, pelo que a cor negra do ecrã será praticamente indistinguível da cor preta da parte frontal do aparelho.

O vidro do ecrã também deverá ser curvo à frente e atrás do telemóvel, com um rebordo lateral em aço inoxidável. A ideia passará também por habilitar os carregamentos sem fios via placa indutora de energia, como já acontece em alguns modelos Android.

As novidades, segundo a Bloomberg

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloomberg já viu imagens do novo iPhone. E fala em “mudança”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião