iPhones mais baratos? Apple admite baixar preços

A Apple já viu melhores dias. Depois do alerta aos investidores no início deste mês, a fabricante do iPhone não exclui baixar os preços em alguns mercados para tentar impulsionar as vendas.

A Apple pode vir a praticar preços mais baixos em alguns mercados onde as vendas têm vindo a cair, sugeriu Tim Cook, o presidente executivo da tecnológica norte-americana, sem especificar mais detalhes. A fabricante do iPhone apresentou esta terça-feira os resultados do trimestre concluído em dezembro.

“À medida que entrámos em janeiro e avaliámos as condições macroeconómicas em alguns desses mercados [em que as vendas caíram], decidimos ser mais proporcionais com o que os nossos preços locais eram há um ano, na esperança de impulsionar as vendas nessas regiões”, disse Tim Cook, em entrevista à Reuters.

Há dois anos consecutivos que a Apple lança, no outono, o iPhone mais caro que alguma vez produziu. Foi assim com o iPhone X em 2017 e, mais recentemente, com o iPhone Xs Max em 2018, que tem um custo que pode chegar aos 1.679 euros, a versão com 512 GB de espaço de armazenamento. Mas as vendas não correram como o esperado e, no início deste ano, a empresa emitiu um alerta aos investidores, o primeiro em 16 anos.

O líder da Apple tem apontado o dedo ao abrandamento económico, à China e às tensões comerciais entre os EUA e o país de Xi Jinping. Esta terça-feira, o relatório e contas da empresa mostrou a verdadeira dimensão do problema: entre setembro e dezembro, o quarto trimestre de 2018 (e considerado o primeiro trimestre fiscal para a contabilidade da empresa), as vendas da marca na Grande China recuaram 36% em termos homólogos.

Esta terça-feira à noite, após o fecho de Wall Street, a tecnológica anunciou lucros de 19,965 mil milhões de dólares, menos 0,5% do que no mesmo período de 2017. Nesse período, a empresa faturou 84,310 mil milhões de dólares, uma quebra de 4,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

iPhones mais baratos? Apple admite baixar preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião