Presidente do Santander diz que grupo está “muito satisfeito” com evolução da filial portuguesa

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2019

Totta contribuiu com 500 milhões de euros para o lucro total de 7.800 milhões de euros do banco espanhol no ano passado. Ana Botín diz que está "muito satisfeita com evolução" do negócio português.

A presidente do Santander, Ana Botín, afirmou à agência Lusa, em Madrid, que o grupo está “muito satisfeito com a evolução” da filial portuguesa.

O Santander Totta contribuiu com 500 milhões de euros em 2018 para o lucro total de 7.810 milhões do grupo espanhol, tendo reforçado a posição de maior banco privado português, segundo informação transmitida hoje ao mercado em Espanha.

Estamos muito satisfeitos com a evolução” da filial portuguesa, disse a presidente do Grupo Santander, Ana Botin, à margem da apresentação dos resultados de 2018 feita esta quarta-feira em Madrid.

De acordo com o relatório transmitido à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, o Santander Totta contribuiu com 500 milhões de euros (+15% do que em 2017), depois da integração operacional e tecnológica do Banco Popular Portugal, concluída em outubro de 2018.

No relatório de contas, o Grupo Santander destaca, então, que a sua filial portuguesa “reforçou” a posição como maior banco privado do país, em termos de ativos e créditos concedidos na sua atividade doméstica.

O Santander também realça a transformação digital e comercial em curso, que permitiu “incrementar” as vendas através dos canais tecnológicos “e impulsionar” o crescimento do número de clientes vinculados (que consideram o Totta o seu banco principal) e digitais.

Segundo os números apresentados, a filial portuguesa tinha no final de 2018 cerca de 752.000 clientes vinculados (+9% do que um ano antes) e 734.000 clientes digitais (+32%).

O Grupo Santander sublinha ainda que o lucro ordinário atribuível (lucro sem mais valias, dotações e custos de reestruturação associados a operações inorgânicas) aumentou 10% para 480 milhões de euros, devido à melhoria da eficiência e diminuição das dotações e custos de reestruturação.

Por outro lado, o rácio de crédito malparado “melhorou significativamente”, com uma diminuição de 157 pontos base, para 5,94%, e o custo do crédito “é de apenas nove pontos base”.

O Totta teve em 2018 uma rentabilidade, medida através da taxa RoTE, de 12% e um rácio de eficiência de 47%.

Quanto à totalidade do Grupo Santander, o banco fechou 2018 com um lucro de 7.810 milhões de euros, mais 18% do que no ano anterior.

O lucro aumentou, em 2018, em oito dos dez mercados em que o grupo está presente (excluindo o impacto da taxa de câmbio), com destaque para os Estados Unidos (+74%), Espanha (+28%), Brasil (+22%) e México (+14%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do Santander diz que grupo está “muito satisfeito” com evolução da filial portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião