Nova gestão do Santander Totta tem “luz verde” do BCE

O conselho de administração e a respetiva comissão executiva "entra de imediato em funções plenas".

Pedro Castro Almeida, que sucede a António Vieira Monteiro na liderança do Santander Totta, bem como a sua equipa de administração receberam “luz verde” do Banco Central Europeu para assumirem funções. A nova gestão entra “de imediato em funções plenas”, refere o banco.

“O Banco Central Europeu informou hoje ter concluído o processo de adequação e avaliação (Fit and Proper) dos órgãos sociais do Santander Totta para o triénio 2019-2021”, revela o banco em comunicado. “Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o conselho de administração e a respetiva comissão executiva entra de imediato em funções plenas“, sublinha.

Além de Castro Almeida, a nova comissão executivas é composta ainda por Manuel Preto (será vice-presidente deste órgão, mantendo-se como CFO), Inês Oom de Sousa, Amílcar Lourenço, Isabel Guerreiro e Miguel Belo de Carvalho.

Os três últimos nomes são novidade, embora todos venham de dentro do banco. Amílcar Lourenço era responsável pela área de risco, Isabel Guerreiro tinha a seu cargo projetos na transformação digital e Miguel Belo de Carvalho liderou equipa que coordenou a integração do Banif e do Popular Portugal.

Face à anterior equipa de gestão, saem assim João Baptista Leite, José Leite Mais e Luís Bento dos Santos.

Por outro lado, vão assumir funções como administradores não executivos José Carlos Sítima (será vice-presidente do conselho de administração, Ana Isabel Morais, Andreu Plaza Lopez, Daniel Traça e Isabel Mota. Isto para lá de Vieira Monteiro, que será o chairman. Aqui há membros que vêm de fora do grupo Santander: Daniel Traça, que ainda esta quarta-feira foi reeleito diretor da Nova SBE; e Ana Isabel Morais que é associate dean do ISEG e conta com passagens pela EPAL e pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas.

O único espanhol a integrar o conselho de administração do Santander Totta é Andreu Plaza Lopez, que é atualmente senior advisor para o CEO do grupo Santander.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova gestão do Santander Totta tem “luz verde” do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião