Pedro Castro e Almeida, um cristão da alta finança que vai gerir os destinos do Santander Totta

Pedro Castro e Almeida, o próximo CEO do Santander Totta, conhece melhor do que ninguém os cantos à casa, onde é administrador há 11 anos. "O Pedro com fato e o Pedro sem fato são a mesma pessoa".

Pedro Castro e Almeida é um homem da alta finança, habituado à ciência dos números e da contabilidade, mas tanto cita o economista mais importante num discurso aos seus quadros como Madre Teresa de Calcutá ou o Papa Francisco. “Ele é muito mobilizador. Há cargos que fazem as pessoas mas no caso do Pedro será ele a fazer o cargo”, diz João Pedro Tavares, que conhece o próximo presidente do Santander Totta há mais de uma década.

Ambos fazem parte da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE), presidida por João Pedro Tavares, enquanto Pedro Castro e Almeida é vice-presidente daquela associação. É uma comunidade de líderes empresariais cristãos que procuram, através do seu trabalho, a promoção da dignidade de cada pessoa e a construção do bem comum através dos critérios de Cristo. E é essa visão do mundo e da vida que Castro e Almeida levará para a liderança de um dos maiores bancos nacionais, acredita João Pedro Tavares.

“É um homem inteiro, não há duplicidade. O Pedro com fato e o Pedro sem fato são a mesma pessoa”, diz João Pedro Tavares. “Promove a diversidade, cala-se para ouvir os outros e é muito sensível. Não deixa de transmitir as más notícias, mas fá-lo de uma forma humanizadora”, conta ainda.

Aos 51 anos, Pedro Castro e Almeida vai assumir a presidência executiva de uma casa que conhece muito bem, substituindo António Vieira Monteiro, que passa a chairman do banco. É membro do conselho de administração há mais de uma década, tendo sido responsável no mandato que termina esta ano pela rede de empresas e negócio tradicional, bem como pela gestão de ativos e seguros.

Casado e com uma família numerosa (tem cinco filhos e dois enteados), nasceu num berço ligado à banca. O pai foi quadro do Totta e o irmão Luís Castro e Almeida lidera o negócio do espanhol BBVA em Portugal. “Castro e Almeida é um apelido muito forte na banca”, lembra João Pedro Tavares.

Há vários anos no banco, formou-se numa das melhores academias de líderes. Foi do Santander que saíram nomes como António Horta Osório, Stock da Cunha, Nuno Amado… “O Santander tem muito a noção de academia e o Pedro também vai ajudar a gerar líderes para o futuro, de referência”, conta João Pedro Tavares, que diz que o seu amigo se preparou bem para o cargo.

Ainda este ano, Pedro Castro e Almeida frequentou o programa The Innovative Technology Leader da Stanford University, direcionado para executivos e líderes de organizações. Antes disso, realizou formações na Harvard Business School (Corporate Governance, 2015) e no INSEAD (Advanced Management Programme, em 2010), isto para lá da sua licenciatura no ISEG, onde entrou em 1985.

Também por isso será uma transição tranquila numa altura em que Santander Totta se bate no mercado de igual para igual com o BCP enquanto maior banco privado nacional, isto após as aquisições do Banif e do Popular nos últimos anos terem dado outra força ao banco dos espanhóis. Os últimos resultados, apresentados na semana passada, mostram a saúde financeira: os lucros aumentaram para 385 milhões de euros.

Fora do banco, além de ser vice-presidente da ACEGE, Pedro Castro Almeida é também diretor no Centro Social e Paroquial São Francisco de Paula, na Paróquia de São Francisco de Paula, em Lisboa. “Ele tem um grande sentido de missão, sentido dos outros, de criação de valor, que é fundamental para as instituições. Mas a criação de valor não se esgota no lucro financeiro, mas também no lucro para as pessoas”, diz João Pedro Tavares.

"Ele tem um grande sentido de missão, sentido dos outros, de criação de valor, que é fundamental para as instituições. Mas a criação de valor não se esgota no lucro financeiro, mas também no lucro para as pessoas.”

João Pedro Tavares

Presidente da ACEGE

“Vai receber um grande legado no Santander Totta, mas o Pedro vai saber amplificá-lo, tanto financeiramente como socialmente. Vai fazer do Santander Totta muito mais do que um banco”, remata ainda.

Foi durante um dos encontros da ACEGE que Pedro Castro Almeida deixou um testemunho em vídeo sobre a importância de adotar os “critérios de Cristo” na sua vida pessoal e profissional.

Disse: “Vejo a minha vida como um caminho, como uma peregrinação e a importância da ACEGE é porque me acompanha nesta peregrinação, que tem um princípio e há de ter um fim. E acompanha-me nesta peregrinação de vida como uma comunidade, como uma comunidade que inquieta o meu dia-a-dia, que me inquieta no meu mundo do trabalho e que inquieta a minha consciência e que me ajuda na minha unicidade de vida.”

No mesmo vídeo, que se encontra disponível no Youtube, Pedro Castro Almeida deixou exemplos de como a ACEGE pode ter impacto na vida das instituições e dos trabalhadores: “Sendo uma preocupação da ACEGE de desenvolver uma comunidade que promove o debate e que desafia cada um a assumir os critérios de Cristo na forma como trabalha, naturalmente, o que eu considero mais relevante é esta capacidade que a ACEGE tem tido de influenciar e transformar o futuro nas empresas, promovendo uma série de ações, relacionados não só com a ética empresarial, nomeadamente a componente dos pagamentos pontuais a fornecedores ou a conciliação família-trabalho, mas também através dos grupos de Cristo na empresa que criaram aqui um espaço de reflexão e de inspiração para a ação dos gestores nas empresas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Castro e Almeida, um cristão da alta finança que vai gerir os destinos do Santander Totta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião