Acionistas do Santander Totta elegem em 13 de dezembro novo presidente executivo

  • Lusa
  • 9 Novembro 2018

Assembleia geral de acionistas para eleger novos órgãos sociais do Totta para o triénio 2019-2021 acontece no dia 13 de dezembro. Vieira Monteiro passa a chairman e Castro Almeida a CEO do banco.

Os acionistas do Santander Totta reúnem-se a 13 de dezembro, em Lisboa, para eleger os órgãos sociais para o triénio 2019-2021, com António Vieira Monteiro como chairman e Pedro Castro Almeida na presidência executiva no banco.

Na quinta-feira, fonte oficial do Santander Totta confirmou à agência Lusa que Vieira Monteiro deixará no final do ano a presidência executiva do banco, que será ocupada pelo atualmente administrador Pedro Castro Almeida, após ‘luz verde’ dos reguladores que têm ser ouvidos no processo.

Depois de sete anos como presidente executivo, Vieira Monteiro passará a ser presidente do Conselho de Administração (chairman) do Santander Totta.

Nos termos da convocatória para a assembleia-geral do Santander Totta, pelas 12h00 do dia 13 de dezembro, em Lisboa, os acionistas serão ainda chamados a deliberar sobre a eleição do revisor oficial de contas e da comissão de vencimentos para o triénio de 2019/2021.

Uma hora antes, pelas 11h00, decorre a assembleia-geral de acionistas do Banco Santander Totta, que, para além dos mesmos pontos previstos na convocatória para a SGPS, irão deliberar sobre a “alteração do regulamento aprovado pela assembleia geral do Banco Totta & Açores no dia 30 de outubro de 1989”.

O Santander Totta anunciou na quarta-feira uma subida de 16% do lucro nos primeiros nove meses deste ano, face ao período homólogo, para 384,9 milhões de euros.

Segundo a informação divulgada, a evolução anual da conta de resultados e do balanço reflete o impacto da integração do ex-Banco Popular Portugal concluído em 14 de outubro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas do Santander Totta elegem em 13 de dezembro novo presidente executivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião