Como se fazem as notas? Banco de Portugal explica em vídeo

O Banco de Portugal explica como decorre todo o processo produtivo das notas de euros. Em Portugal, esse fabrico acontece no Complexo do Carregado, em Alenquer.

Alguma vez se pensou em todo o percurso que as notas que tem no bolso tiveram de fazer até lá chegarem? O Banco de Portugal esclarece todas as suas dúvidas, esta sexta-feira, num descodificar e vídeo sobre o processo produtivo desses euros.

“Para que as notas de euro cheguem até si, o primeiro passo é calcular as necessidades de notas de cada país da área do euro“, explica a instituição. Por cá, é o Banco de Portugal o responsável por esse cálculo. “As notas de dez e 20 euros são as mais utilizadas em território nacional”, revela, referindo que, pelo contrário, no conjunto do espaço da moeda única são as notas de 50 e 20 euros as mais populares.

Depois de definidas essas necessidades, cabe ao Banco Central Europeu (BCE) atribuir aos bancos centrais nacionais as quotas de novas notas a produzir. “A produção de notas de euros é assegurada por 11 fábricas de alta segurança, localizadas na Europa, onde as notas que vão chegar ao seu bolso começam a tornar-se realidade”, acrescenta a instituição de Carlos Costa. Em Portugal, esse fabrico é feito no Complexo do Carregado, em Alenquer, na fábrica de notas Valora.

Depois de impressas, as notas “estão prontas para viajar”. “Os banco centrais nacionais podem colocar as novas notas em circulação diretamente – nas suas tesourarias – ou através dos bancos comerciais, que as fazem chegar aos seus clientes nos levantamentos aos balcões e nos caixas automáticas”, conclui o Banco de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como se fazem as notas? Banco de Portugal explica em vídeo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião