Cristas: Taxa Robles é o “Bloco de Esquerda a lavar a sua consciência”

Assunção Cristas não poupa críticas à proposta do BE no imobiliário. E garante que o CDS "é a alternativa clarinha" ao Governo.

A proposta apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE) para travar a especulação imobiliária é uma tentativa do partido “lavar a sua consciência”, afirma Assunção Cristas. Numa entrevista à RTP, a líder do CDS falou ainda sobre o Governo de António Costa, afirmando que Mário Centeno fez “um Orçamento do Estado para 2019 fantasioso e não rigoroso“, apelidando-o de “campeão das cativações”.

Questionada sobre a proposta apresentada pelo BE — que prevê sujeitar a uma taxa especial quem compra e vende num curto período de tempo e com muito lucro –, Assunção Cristas respondeu, sem hesitar: “É o BE a lavar a sua consciência, mas não consegue e quer fazê-lo pelo canal errado“. Conforme explicou, as propostas apresentadas pelo CDS no âmbito da habitação “vão no sentido de ter medidas para fomentar o crescimento da economia”, pois “não podemos ter uma economia dependente do turismo”.

Para a ex-ministra, o importante neste momento é “combater a especulação imobiliária e dar habitação a muitas pessoas“, para além de “pegar no património público, com grandes proprietários como a Santa Casa da Misericórdia e Câmara de Lisboa” e arrendá-lo a quem mais precisa.

Questionada se o CDS tem culpa pelo estado em que se encontra a especulação imobiliária nas grandes cidades, Cristas explicou: “Em 2011, quando chegámos, tínhamos uma envolvente muito clara: um país na bancarrota (…) e os centros das cidades degradados e a cair de podres por causa do congelamento de décadas de rendas. Foi preciso uma reforma rápida — e certamente que teria sido possível fazer melhor –, mas, naquele contexto, conseguimos acautelar as circunstâncias mais graves: a fragilidade económica e a idade“.

“Neste momento somos a alternativa clarinha”

Em termos do Orçamento do Estado para 2019, a líder do CDS não poupou nas palavras: “Este Governo tem um primeiro-ministro e um ministro, o resto são todos secretários de Estado“. Confrontada com os resultados orçamentais de Mário Centeno, Cristas respondeu que “faz um orçamento fantasioso, não rigoroso”, apelidando o ministro das Finanças de “campeão das cativações”, uma vez que “esconde o desgoverno do Governo nas cativações”.

Centeno “diz às pessoas que vão ter dinheiro para isto e para aquilo, engana os parceiros da governação e, a seguir, agarra o dinheiro com toda a força. Isso é enganar as pessoas, os parceiros da governação e os colegas do Governo”, disse, afirmando que não se revê nessa forma de governação.

Assim, afirmou: “O CDS é a alternativa. Neste momento somos a alternativa clarinha“. E, quando falamos de uma possível coligação com o Aliança — o novo partido de Pedro Santana Lopes –, Cristas explicou que “a única solução onde o CDS se revê é um bloco alternativo de centro-direita”. “Convergimos nesta ideia de que é preciso haver uma alternativa. Eu trabalho para contribuir, o mais possível, para estes 116 deputados. Nós queremos estar num bloco alternativo”, completou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristas: Taxa Robles é o “Bloco de Esquerda a lavar a sua consciência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião