Portugal está melhor no combate à corrupção no comércio internacional

  • Lusa
  • 12 Setembro 2018

Portugal passou da lista de nações com implementação “limitada” da Convenção Anti-Suborno (Anti-Bribery Convention) da OCDE, em 2015, para a lista de países com “implementação moderada”, em 2018.

Portugal registou progressos no combate à corrupção no comércio internacional, segundo um relatório da organização Transparency International.

Assim, revela esta entidade no trabalho “Exporting Corruption Report”, o país passou da lista de nações com implementação “limitada” da Convenção Anti-Suborno (Anti-Bribery Convention) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em 2015, para a lista de países com “implementação moderada”, em 2018.

A organização, representada em Portugal pela Transparência e Integridade/TI Portugal, deu conta da aplicação desta convenção nos últimos quatro anos, distribuindo os países por quatro categorias: “Ativo, Moderado, Limitado e Pouca ou Nenhuma [implementação]. Os países analisados são responsáveis por mais de 80% das exportações mundiais”, adiantou a entidade em comunicado.

O estudo refere a abertura de quatro processos de corrupção internacional e o início de procedimentos legais para um caso em Portugal. O relatório dá conta do processo Rota do Atlântico, como exemplo, um caso que envolve o empresário José Veiga, detido por suspeita dos crimes de corrupção, tráfico de influências e participação em negócio, entre outros ilícitos.

“A Transparência e Integridade considera positiva a subida de Portugal, resultante em grande medida do progresso no número de investigações e de casos, e de uma maior mobilização de agentes que exigem que a lei e a Convenção da OCDE sejam efetivamente implementadas, nomeadamente através do aumento da cooperação internacional”, referiu a organização no mesmo documento.

A Transparência e Integridade considera positiva a subida de Portugal, resultante em grande medida do progresso no número de investigações e de casos, e de uma maior mobilização de agentes que exigem que a lei e a Convenção da OCDE sejam efetivamente implementadas.

Tranparência Internacional

O relatório aponta a “lentidão” da justiça e uma definição “vaga” do que são subornos como entraves a uma performance ainda melhor de Portugal. “Com as restrições atuais (recursos humanos e materiais limitados), parece que o aumento (no crescimento) de investigações pode causar atrasos significativos, levando ao constante adiamento de casos (pendentes) e à não abertura de novas investigações. Nessa medida, a Transparência e Integridade considera fundamental fortalecer tanto as autoridades judiciais, como as autoridades auditoras na sua capacidade de supervisão, e também aumentar a consciencialização no setor empresarial e na opinião pública”, explicou a entidade.

O relatório traça um cenário muito diverso a nível internacional e conclui que “apenas 11 das 44 jurisdições avaliadas tem uma conduta ativa ou moderada na fiscalização de empresas que subornam no exterior. São elas: Alemanha, Israel, Itália, Noruega, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos (implementação ativa); e ainda Austrália, Brasil, Portugal e Suécia (implementação moderada). Juntos, estes países são responsáveis por 30,8% das exportações mundiais”, garantiu a organização.

Por outro lado, “Brasil e Israel são os dois países que melhoraram drasticamente as suas classificações. Quatro países, responsáveis por 6,7% das exportações mundiais, têm níveis decrescentes na implementação da Convenção – Áustria, Canadá, Finlândia e Coreia do Sul -, com o maior declínio registado na Finlândia”, detalhou o comunicado.

Citada no documento, Susana Coroado, vice-presidente da TI Portugal, destacou a “falta de vontade política para proteger os denunciantes e apoiar a denúncia com interesse público”, como sendo “sem dúvida, um grande obstáculo a este esforço, bem como a deficiência crónica do sistema judicial”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal está melhor no combate à corrupção no comércio internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião