Crescimento das exportações ultrapassa importações com ajuda do T-Roc. Défice comercial encolhe

  • Marta Santos Silva
  • 10 Setembro 2018

As exportações portuguesas de bens aumentaram 13%, invertendo uma tendência de um crescimento inferior ao das importações. O défice da balança comercial encolheu em relação ao total até junho.

As exportações portuguesas de bens ultrapassaram em julho o ritmo de crescimento das importações, revela esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), que publica as estatísticas do comércio internacional.

No primeiro semestre, as exportações de bens tinham aumentado 6%, mas o valor continuou aquém do crescimento das importações — entre janeiro e junho, o défice comercial chegou aos 1.682 milhões.

Este mês de julho, porém, trouxe uma inversão dessa tendência: o crescimento mais acelerado das exportações, que aumentaram 13%, relativamente ao das importações, que se fixou nos 11%, fez com que se verificasse uma redução no défice da balança comercial, fixando-se até julho nos 1.168 milhões de euros — menos 514 milhões de euros. Em relação a julho do ano passado, o défice comercial continua a aumentar — são mais 32 milhões do que se registavam em 2017 no mesmo mês.

Exportações ultrapassam crescimento das importações

Fonte: INE. Dados em percentagem de crescimento homólogo.

O aumento das exportações em 13% deve-se principalmente a um crescimento do comércio com os países da União Europeia, com um grande peso do setor do Material de transporte, que inclui os automóveis. Este setor viu um aumento de 37% nas suas exportações relativamente ao ano anterior o que, embora tenha havido aumentos em todas as categorias, é um valor significativo.

Este aumento regista-se num ano em que a fábrica da Autoeuropa em Palmela já produziu mais de 139 mil veículos, o que significa a ultrapassagem de um máximo registado em 1998. Este ano, com a implementação da laboração contínua para produzir em maior quantidade o novo veículo da Volkswagen, o T-Roc, a fábrica está a registar maiores níveis de produção, contribuindo positivamente para as exportações do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento das exportações ultrapassa importações com ajuda do T-Roc. Défice comercial encolhe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião